Curiosidades sobre ‘O Barco: Inferno no Mar’ (1981)
in

Curiosidades sobre ‘O Barco: Inferno no Mar’ (1981)

Bastidores e segredos de um dos maiores clássicos de filmes de guerra de todos os tempos

Fatos históricos rendem boas histórias para o cinema. Principalmente os filmes de guerra, na qual cada ponto de vista de uma missão ou vivência de combate pode render grandes obras-primas. “O Barco: Inferno no Mar” (1981), dirigido por Wolfgang Petersen (A História Sem Fim), é um deles.

No auge da Segunda Guerra Mundial, a jovem tripulação do submarino alemão U-96 parte para uma missão secreta. Durante a Batalha do Atlântico, sob o comando do capitão Henrich Lehmann-Willenbrock (Jürgen Prochnow), os recrutas inexperientes vivem num verdadeiro inferno claustrofóbico afundando navios inimigos e resistindo aos ataques constantes. Além disso, eles vão lutar como grandes guerreiros pela sobrevivência após o U-96 sofrer um revés e afundar a quase 75 metros de profundidade.

Abaixo, você vai encontrar curiosidades, segredos dos bastidores e fatos que marcaram a produção do filme alemão “O Barco: Inferno no Mar” (1981).

Curiosidades sobre ‘O Barco: Inferno no Mar’ (1981)

Curiosidades sobre “O Barco: Inferno no Mar” (1981)

  • Os mesmos submarinos de “O Barco: Inferno no Mar” (1981) também foram utilizados em “Os Caçadores da Arca Perdida” (1981).
  • O elenco teve que ser mantido em isolamento dentro de casa durante o período de filmagem, a fim de parecer tão pálido quanto uma verdadeira tripulação submarina faria em uma missão no mar.
  • O submarino em escala real era como uma espécie de concha oca com um motor e só podia ser usado em águas calmas. Porém, algumas cenas foram filmadas em um clima pouco favorável e fez o submarino rachar em duas partes e afundar. Mais tarde, a embarcação foi recuperada, remendada com pranchas de madeira e usada para os cortes finais.
  • Para ajudar seus atores a passar as condições claustrofóbicas encontradas em um submarino real, o diretor Wolfgang Petersen insistiu em filmar dentro dos limites reais de um navio.
  • “O Barco: Inferno no Mar” (1981) foi indicado a seis Oscar, que na época era o maior número de indicações ao Oscar já recebidas por um filme em língua estrangeira. O recorde foi batido posteriormente por filmes como “A Vida é Bela”(1997) e “O Tigre e o Dragão” (2000).
  • Na cena do bar de La Rochelle, Otto Sander estava realmente bêbado.
  • Este é um dos poucos filmes em língua estrangeira mencionados no mercado norte-americano por seu título estrangeiro original, e não pelo título traduzido em inglês.
  • “O Barco: Inferno no Mar” (1981) se tornou o filme alemão mais caro já feito, com custos de produção de 31 milhões de marcos. “Perfume: A História de um Assassino” (2006), uma coprodução alemão-francês-espanhol em inglês, venceu em 2006.

Curiosidades sobre ‘O Barco: Inferno no Mar’ (1981)

  • Três modelos em escala foram construídos para o trabalho de efeitos especiais. O primeiro, um modelo com controle remoto de 35 pés, podia navegar em alto mar e mergulhar; os outros dois, 18 pés e 8 pés de comprimento, foram usados ​​para fotos subaquáticas. Modelos em escala de navios-tanque, contratorpedeiros e outros navios também foram construídos para completar a tropa.
  • Os efeitos de explosão de carga de profundidade foram criados detonando pequenos explosivos em um tanque de 5 metros de profundidade e filmando-os a 1500 quadros por segundo.
  • Várias cenas adicionais foram roteirizadas com base no romance original, o livro “Das Boot”, mas no final nunca foram filmadas devido a restrições de orçamento e tempo. No roteiro original, o U-96 parte de St. Nazaire e atraca em La Rochelle apenas no final do filme devido a fortes danos e à incapacidade de chegar ao porto de origem. A fuga de Gibraltar também se estende um pouco, incluindo o submarino parando um navio de passageiros e quase afundando-o, mas no último momento percebendo que o navio é de registro espanhol.
  • O submarino também encontra outro submarino com uma tripulação inexperiente na entrada do porto de La Rochelle. O segundo submarino atinge uma mina e toda a tripulação deve ser resgatada. Por fim, o personagem do tenente Werner é muito mais explorado no roteiro original.

Curiosidades sobre ‘O Barco: Inferno no Mar’ (1981)

  • Foi o único filme naquele ano indicado ao Oscar de Melhor Diretor, mas não de Melhor Filme.
  • Quando foi discutido originalmente como uma coprodução entre EUA e Alemanha, Robert Redforde e Paul Newman foram considerados como o capitão.
  • O U-505, submarino do tipo IX semelhante ao do filme, porém era muito maior e projetado para patrulhas mais longas. Esta única variante sobrevivente pode ser visitada no Museu de Ciência e Indústria de Chicago.
  • A maior parte do orçamento de US $ 15 milhões do filme foi gasta na construção de submarinos. As especificações para o submarino original do tipo VII-C foram encontradas no Museu de Ciência e Indústria de Chicago. Os planos foram levados ao construtor original dos submarinos, que foi contratado para construir uma réplica em tamanho real, de alto mar, sua primeira missão desde o fim da guerra. Um segundo modelo em tamanho real foi construído para filmagens em interiores.

Curiosidades sobre ‘O Barco: Inferno no Mar’ (1981)

  • Originalmente filmados em alemão, todos os principais atores podiam falar inglês. Quando o filme foi dublado em inglês para distribuição nos EUA e no Reino Unido, todos os principais atores realmente dublaram suas próprias vozes em inglês.
  • “O Barco: Inferno no Mar” (1981) está entre os “1001 filmes que você deve ver antes de morrer”, editado por Steven Schneider.

“O Barco: Inferno no Mar” (1981) está disponível para assistir na Netflix.

+ Aproveite para conhecer os segredos e bastidores de filmes marcantes do cinema.

E aí, curtiu?

Escrito por Bruno Fonseca

Jornalista, apaixonado por quadrinhos, filmes, séries e retrogames. Espero que você alcance o sétimo sentido em todos os âmbitos da vida.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading…

Loading…

0

Bons Meninos | O humor da ingenuidade à flor da pele

Eles também são heróis: 15 pais que emocionaram o cinema

Eles também são heróis: 15 pais que emocionaram o cinema