Curiosidades sobre o filme “Labirinto – A Magia do Tempo” (1986)

Uma adolescente problemática que precisará passar por uma dura jornada para aprender valiosas lições. Um mundo fantástico, repleto de criaturas peculiares, armadilhas e desafios. Um gênio do mal disfarçado de príncipe encantado com rosto de rockstar. É… Por mais que atualmente tenhamos uma variedade enorme de histórias, personagens e universos para se identificar nas telonas, não há nada igual ou que se compare ao nível de “Labirinto – A Magia do Tempo” (1986).

O longa-metragem americano e britânico, dirigido por Jim Henson (Os Muppets, Vila Sésamo), roteirizado por Terry Jones (Monty Python – O Sentido da Vida) e produzido por Eric Rattray (Dr. Fantástico) e George Lucas (Star Wars), fez parte da infância de muita gente, alavancou a carreira da talentosa Jennifer Connelly, apresentou o personagem mais icônico que David Bowie já interpretaria em algum filme, falhou miseravelmente nas bilheterias de sua época e hoje em dia possui uma legião de fãs devotos.

Curiosidades sobre o filme "Labirinto - A Magia do Tempo" (1986)

Como isso é possível? Tantos nomes incríveis, uma história tão criativa e, mesmo assim, um fracasso total nos cinemas numa época em que torrent não existia? Confira algumas curiosidades sobre os bastidores dessa aventura fantástica e misteriosa, e talvez a gente consiga descobrir juntos:

– A primeira ideia do filme “Labirinto – A Magia do Tempo” surgiu entre Jim Henson (diretor) e Brian Froud (que trabalhou no departamento de arte e figurino do longa) durante um passeio de limousine, na volta de uma exibição especial de seu filme de fantasia “O Cristal Encantado” (1982). Ambos concordaram em trabalhar em outro projeto juntos, e Froud sugeriu que o filme devia ser sobre duendes (goblins) e humanos. Froud fez o esboço de uma arte conceitual de um bebê cercado por duendes e esta imagem foi o ponto de partida para a história.

Curiosidades sobre o filme "Labirinto - A Magia do Tempo" (1986)

– Foram escritas 25 versões do roteiro antes que a final fosse escolhida. Usando uma história escrita por Henson e Dennis Lee como ponto de partida, Terry Jones (Monty Python) e Laura Phillips (O Mundo dos Fraggles) escreveram um script cada um, sendo escolhido o de Jones. A comediante e roteirista Elaine May fez algumas revisões que ajudaram a humanizar os personagens, mas mesmo assim, mais tarde, o roteiro foi modificado novamente a pedido de David Bowie. A verdade é que, embora Terry Jones seja creditado como roteirista, muito pouco de seu roteiro foi mantido depois do ponto onde Sarah come o pêssego envenenado.

– A sua versão original do roteiro de Terry Jones e a versão final são tão diferentes, que na original o Goblin King era apenas mais uma criatura não-humana aleatória, que não aparecia até a metade do longa. Este roteiro terminava com Sarah dando socos e chutes em Jareth até vê-lo encolher e se torrar um pequeno goblin chorão.

“Labirinto – A Magia do Tempo” foi o último filme dirigido por Jim Henson.

Curiosidades sobre o filme "Labirinto - A Magia do Tempo" (1986)

Jennifer Connelly e Jim Henson

– Muitas atrizes que na época eram desconhecidas, mas hoje são respeitadas na indústria tendo, algumas, conquistado prêmios desejados, disputaram o papel de Sarah. Entre elas estavam Helena Bonham Carter, Jane Krakowski, Yasmine Bleeth, Sarah Jessica Parker, Mary Stuart Masterson, Laura Dern, Lili Taylor, Laura San Giacomo, Ally Sheedy e Mia Sara. As favoritas eram Jane Krakowski, Ally Sheedy e Maddie Corman, mas Jennifer Connelly chegou e conquistou o papel.

– A produção procurava uma atriz mais velha para fazer o papel de Sarah, porém não achou ninguém dentre as mais de 150 garotas que fizeram testes. Por causa disso, a idade média das atrizes foi baixada, permitindo que Connelly, aos 14 anos, fizesse o teste. Jim Henson afirmou que no minuto em que viu Jennifer, não teve dúvidas de que tinha encontrado a garota perfeita para a personagem. Assista abaixo a audição de Connelly para o papel:

Curiosidades sobre o filme "Labirinto - A Magia do Tempo" (1986)

“Mas quando Jennifer veio – ele disse – “ela fez tudo exatamente certo. E a razão pela qual ela era perfeita para o papel, eu acho, foi porque ela estava no mesmo momento de sua vida em que Sarah estava. Ela tinha 14 anos e ainda tinha animais de pelúcia. Ela até trouxe um ursinho de pelúcia com ela. E quando terminamos de filmar, ela já havia superado aquela fase de sua vida. Ela nunca tinha ido a um baile ou até mesmo dançado, então quando colocamos o vestido nela para a cena do grande baile, ela estava passando por aquela experiência pela primeira vez na sua vida. Muito disso foi assim.” – Jornal The Evening Independent- 19/07/1986.

– Para algumas das atrizes “descartadas”, não foi uma perda total, já que embora não tenham interpretado Sarah em “Labirinto – A Magia do Tempo”, acabaram trabalhando em outros projetos junto com a Jim Henson Company. Mia Sara trabalhou em “João E o Pé de Feijão” (2001), Sarah Jessica Parker em “Vila Sésamo” e Jane Krakowski em “A Muppets Christmas: Letters to Santa” (2008).

Curiosidades sobre o filme "Labirinto - A Magia do Tempo" (1986)

– James Henson considerou os músicos Michael Jackson e David Bowie para o papel de Goblin King, e antes de fazer sua escolha final (que foi Bowie, no caso) escreveu uma carta para Terry Jones mencionando o nome dos dois astros para que o roteirista entendesse a importância do personagem e desse mais destaque para ele em seu roteiro.

– David Bowie não apenas atuou, como também ficou encarregado de parte da trilha sonora do filme e compôs canções especialmente para seu personagem. São elas: “Magic Dance”, “Chilly Down”, “Within You”, “As The World Falls Down” e “Underground”.

Curiosidades sobre o filme "Labirinto - A Magia do Tempo" (1986)

– Além das composições de Bowie, o filme também contou com uma trilha sonora incidental com músicas compostas e conduzidas pelo aclamado compositor sul-africano Trevor Jones (que, na época, tinha trabalhado apenas nos filmes “Excalibur” de John Boorman; “Expresso para o Inferno” de Andrei Konchalovsky; e “O Cristal Encantado” de Jim Henson). São elas: “Into The Labyrinth”, “Sarah”, “Hallucination”, “The Goblin Battle”, “Thirteen O’clock” e “Home At Last”.

– David Bowie lançou dois videoclipes oficiais, dirigidos por Steve Barron, para promover este filme. “As the World Falls Down” apresenta cenas do filme em si (e não são apenas cenas do baile) e inclui cenas exclusivas de Hoggle com Bowie. “Underground” – que toca nos créditos finais – apresenta muitos dos personagens do filme em cenas exclusivas com Bowie e foi inspirado na cena em que Sarah cai no túnel das mãos socorristas. Assista os clipes:

As the World Falls Down:
Underground:

– O nome do personagem vivido pelo bebê seria Freddie, mas foi alterado para Toby, que era o nome real da criança, pois ela apenas respondia ao próprio nome.

– O bebê que interpreta Toby é Toby Froud, filho de Brian Froud, que já foi mencionado anteriormente por contribuir não apenas para a criação do roteiro, como também trabalhar no departamento de arte e figurino de “Labirinto – A Magia do Tempo”. Sua presença no set de filmagens foi crucial para o andamento das gravações, pois o bebê era bastante agitado, chorava facilmente (também, com aquela quantidade de fantoches bizarros ao redor dele né?) e se sentia mais à vontade quando o pai estava por perto.

Curiosidades sobre o filme "Labirinto - A Magia do Tempo" (1986)

– Na cena onde Jareth segura o bebê no colo e sussurra algo em seu ouvido, Toby fica com o olhar fixo, quase hipnotizado. Para conseguir esse efeito, David Bowie segurava um fantoche fora de cena, que Toby acompanhou com o olhar enquanto gravava.

– Jim Henson colocou toda a família para trabalhar no filme. Seu filho, Brian, foi o dublador de Hoggle, enquanto sua filha Cheryl foi marionetista de um fairy.

– Hoggle não era apenas uma marionete, na verdade, era um personagem bastante complexo. A atriz Shari Weiser era quem usava a fantasia, mas para executar os movimentos faciais eram necessários 4 marionetistas liderados por Brian Henson para controlar os 18 motores no interior do equipamento que era a face. Henson, com auxílio de outro marionetista, controlava os movimentos mandibulares e dublava o personagem. O terceiro membro da equipe cuidava dos olhos e pálpebras. O quarto animava as sobrancelhas e a pele ao redor dos olhos. Eles precisaram ensaiar juntos por semanas para decorar a “coreografia” facial de Hoggle antes das gravações começarem.

Curiosidades sobre o filme "Labirinto - A Magia do Tempo" (1986)

Hoggle e Sarah

– Uma das piadas do filme é a pronúncia do nome de Hoggle. Em um determinado momento, Sarah o chama de “Hogwart”, nome que originalmente vem do famoso livro de humor britânico “The Compleet Molesworth”, por Geoffrey Willans e Searle Ronals. O Goblin King o chama de “Hoghead”, “Hogbrain”, entre outros.

– Depois das filmagens, a fantasia de Hoggle foi perdida pela produção, tempos depois descobriu-se que ela foi perdida em um avião e acabou parando no museu da “The Unclaimed Baggage Center” no Alabama.

– O cachorro de Sarah, Merlin, interpreta também o personagem “Ambrosious”, o não tão valente companheiro do valente guerreiro que guarda a ponte do Brejo Fedorento, Sr. Didymus.

Curiosidades sobre o filme "Labirinto - A Magia do Tempo" (1986)

– Ludo, juntamente com Hoggle, foi outra criatura bastante difícil de trazer à vida. Quando estava sendo construído, o equipamento que daria vida a Ludo pesava mais de 100 quilos. Quando Jim Henson soube disso, ordenou que a equipe começasse tudo novamente porque ele precisava ser mais leve. O peso foi reduzido para 75 quilos, mas ainda assim era muito pesado para uma pessoa trabalhar sozinha. Por isso o trabalho foi dividido entre o marionetista Rob Mills e o escultor hiper-realista Ron Mueck (Mueck foi quem deu voz a Ludo).

– Para ajudar o ator que ficava dentro de Ludo a enxergar, havia uma câmera em miniatura no chifre direito do personagem, ligada a um pequeno monitor de TV montado dentro do estômago da enorme fantasia.

Curiosidades sobre o filme "Labirinto - A Magia do Tempo" (1986)

– A coruja que aparece na sequência de abertura é gerada por efeitos visuais e foi a primeira tentativa de criar um animal realista em CGI em um longa-metragem.

– A primeira cena foi filmada no Memorial Park, em Nyack, Nova York, mas a maior parte das filmagens foi feita nos Estúdios Elstree, em Hertfordshire, Inglaterra.

– A cena em que Sarah cai no túnel repleto de mãos foi a mais difícil de filmar. Mais de 100 pares de mãos de látex foram feitas para a cena, que não teve nenhum efeito visual, apenas práticos. Os marionetistas tiveram que coreografar os movimentos de suas mãos para formarem os diferentes rostos que se comunicavam com a protagonista. Assista o making of:

– A cena de “Magic Dance” usou mais de 48 bonecos, 52 marionetistas e oito pessoas em trajes de duendes.

– Uma das coreógrafas do filme foi Cheryl McFadden, que também apareceu, sem créditos, como uma das dançarinas mascaradas na cena do baile. Um ano depois deste filme, ela estrelou em “Star Trek: The Next Generation”, creditada como Gates Mcfaden, no papel da Dra. Beverly Crusher. Ela atuou em seis das sete temporadas da série e em quatro longas-metragens.

– O rosto de David Bowie está escondido em 7 cenas do filme. Nós encontramos as cenas, mas não marcamos o rosto… Você consegue encontrá-lo? (clique nas imagens para ampliá-las)

Curiosidades sobre o filme "Labirinto - A Magia do Tempo" (1986)Curiosidades sobre o filme "Labirinto - A Magia do Tempo" (1986)Curiosidades sobre o filme "Labirinto - A Magia do Tempo" (1986)Curiosidades sobre o filme "Labirinto - A Magia do Tempo" (1986)Curiosidades sobre o filme "Labirinto - A Magia do Tempo" (1986)Curiosidades sobre o filme "Labirinto - A Magia do Tempo" (1986)Curiosidades sobre o filme "Labirinto - A Magia do Tempo" (1986)

– Há uma cena em que uma bola de cristal de Jareth parece subir as escadas até alcançar a mão de Toby. Essa cena, na verdade, foi gravada com Toby deixando a bola cair escada abaixo e invertendo a sequência.

– Não, pessoal… Não era Bowie quem fazia aqueles truques e manipulações com bolas de cristal. Mas não vá pensando que foi algo feito com ajuda mecânica, computadorizada ou qualquer outro tipo de efeito que quebrará a magia dos cristais do Goblin King! Aqueles movimentos mágicos foram feitos pelo coreógrafo Michael Moschen, que realmente possui a habilidade de equilibrar e manipular objetos – neste caso, bolas de cristal – com suas próprias mãos. No filme, Moschen precisou executar os movimentos sem olhar e numa posição complicada: escondido atrás de Bowie e colocando os próprios braços por baixo das axilas do cantor. Dessa forma e contando com os ângulos corretos da câmera, foi possível transformar os braços e movimentos do coreógrafo nos do Goblin King. No vídeo abaixo fica mais fácil de entender como essas cenas foram filmadas:

– Jim Henson disse que o trabalho de Moschen foi o mais próximo da magia verdadeira que já chegou em sua vida.

– Jennifer Connelly disse que era “péssima em dança de salão” e teve que fazer aulas particulares para a cena icônica do baile.

Curiosidades sobre o filme "Labirinto - A Magia do Tempo" (1986)

David Bowie e Jennifer Connelly ensaiando para a cena do baile

– A cena surreal com as escadas foi inspirada diretamente na obra “Relativity” (1953), de M. C. Escher, que pode ser vista no quarto de Sarah, no início do filme.

– A trama de “Labirinto – A Magia do Tempo” é extremamente similar com a do livro “Outside Over There” de Maurice Sendak, e algumas criaturas do filme apresentam semelhanças com as de “Onde Vivem os Monstros”. Os advogados de Sendak entraram em contato com Henson, na época, para que a produção do longa fosse encerrada (com direito a ameaças). O filme foi feito e, nos créditos finais, é possível ler “Jim Henson reconhece sua dívida para com as obras de Maurice Sendak”. Sendak retirou o processo, mas passou o resto da vida reclamando sobre o caso a quem quisesse ouvir.

Curiosidades sobre o filme "Labirinto - A Magia do Tempo" (1986)

– É possível encontrar referências para vários personagens e cenas da história dentro do quarto de Sarah, no início do filme. Na mesa há um boneco de pano que lembra muito um fairy, uma caixinha de música com uma bonequinha dentro que é ela mesma, o livro “Onde Vivem os Monstros”, um animalzinho de pelúcia que se parece com Sr. Didymus, uma miniatura de labirinto, vários livros enfileirados (entre eles, “Outside Over There” de Maurice Sendak), uma estátua muito parecida com Hoggle segurando os livros e, por último, um livro de colagens aberto onde é possível ver fotos da mãe de Sarah (que, ao que tudo indica era uma atriz famosa e morreu) e David Bowie. Em sua penteadeira há uma estátua do Goblin King e fotos de David Bowie no espelho. Na cômoda perto da porta há um boneco de pano igualzinho ao Ludo, e nas prateleiras logo acima, há o que parece ser uma capa de um disco de vinil que mostra um objeto bastante parecido ao utilizado pelos “limpadores” para perseguir Sarah e Hoggle. E, por último, embora já tenha sido mencionada, vale a pena lembrar que na parede ao lado da cama de Sarah há um pôster da obra “Relativity” (1953), de M. C. Escher.

Curiosidades sobre o filme "Labirinto - A Magia do Tempo" (1986)Curiosidades sobre o filme "Labirinto - A Magia do Tempo" (1986)Curiosidades sobre o filme "Labirinto - A Magia do Tempo" (1986)Curiosidades sobre o filme "Labirinto - A Magia do Tempo" (1986)Curiosidades sobre o filme "Labirinto - A Magia do Tempo" (1986)Curiosidades sobre o filme "Labirinto - A Magia do Tempo" (1986)Curiosidades sobre o filme "Labirinto - A Magia do Tempo" (1986)Curiosidades sobre o filme "Labirinto - A Magia do Tempo" (1986)Curiosidades sobre o filme "Labirinto - A Magia do Tempo" (1986)Curiosidades sobre o filme "Labirinto - A Magia do Tempo" (1986)

“Labirinto – A Magia do Tempo” foi um grande fracasso nas bilheterias. Com um orçamento de 25 milhões de dólares, o longa conseguiu uma arrecadação de apenas 12 milhões de dólares.

– Jim Henson ficou profundamente deprimido por causa do fracasso nas bilheterias de “Labirinto – A Magia do Tempo”. A esposa de Jim, Jane, explicou que ele sentiu que estivesse sendo pessoalmente rejeitado pelo público. Felizmente, antes de seu falecimento, em 1990, Jim tomou conhecimento – e ficou muito feliz – sobre o status “cult” que seu filme tinha ganhado e a quantidade de fãs que havia conquistado (e continua conquistando).

Curiosidades sobre o filme "Labirinto - A Magia do Tempo" (1986)

– Assim como acontece com a maioria dos filmes, a história foi lançada em outras mídias depois da estreia nas telonas. Tais como:
* O longa foi transformado em livro por A. C. H. Smith logo após a produção do mesmo. O livro “Labirinto” será lançado ainda em 2016 no Brasil, pela editora DarkSide Books.
* A Marvel Comics lançou uma versão em quadrinhos da história em outubro de 1986, o volume único contou com roteiro adaptado do filme por Sid Jacobson e arte por Jon Buscema. A história foi relançada como série limitada em três partes entre novembro/1986 e janeiro/1987, e cada edição contou com uma capa especialmente encomendada por Jon Buscema.
* Um jogo de RPG com o nome “Labyrinth: Maou no Meikyuu” foi fabricado pela Tokuma Shoten e lançado para NES em julho de 1987, somente no Japão.
* Entre 2006 e 2010 a editora Tokyopop lançou, nos EUA, uma adaptação em mangá intitulada “Return to Labyrinth”, escrita por Jake Forbes e desenhada por Chris Lie. A trama do mangá se passa 15 após os eventos do filme.

Curiosidades sobre o filme "Labirinto - A Magia do Tempo" (1986)

– Mesmo sendo um fracasso de bilheterias, “Labirinto – A Magia do Tempo” foi indicado a alguns prêmios:
* BAFTA – Melhores Efeitos Especiais (Indicado)
* Academy of Science Fiction, Fantasy & Horror Films – Melhor Filme de Fantasia, Melhor Figurino (Indicado)
* Hugo Awards – Melhor Apresentação Dramática (Indicado)


“Labirinto – A Magia do Tempo” é um filme que, mesmo lançado na década de 80, se mantém atual e encanta qualquer um que o assistir pela primeira vez. O cuidado com os detalhes, figurinos, atuações, cenários, música, coreografias e tudo mais que envolveu o universo mágico desse longa só afirma minha teoria de que as pessoas, na época, não estavam preparadas para uma obra como essa. E foi por isso que o filme não arrecadou tanto quanto merecia.

Curiosidades sobre o filme "Labirinto - A Magia do Tempo" (1986)

Se naquela época as pessoas tivessem a mesma paixão que temos hoje em dia por fantasia, aventura, ação, protagonistas femininas e efeitos visuais, será que “Labirinto – A Magia do Tempo” teria um feedback diferente? Eu acho que sim, e você? Comente!


Leia também: Curiosidades sobre o filme “Jovens Bruxas” (1996)

Por Louise


VEJA TAMBÉM:

COMENTE:

© 2018 Proibido Ler. Todos os direitos reservados.