As novas musas dos quadrinhos – Parte 2

A quantidade de novas personagens femininas marcantes que surgem nas histórias em quadrinhos aumenta gradativamente. Em 2014 não só surgiram muitas novas personagens, como muitas personagens femininas mais antigas ganharam papéis de destaque.

Seja em publicações solo como Batgirl, Angela ou Mulher-Aranha ou em Gibis de equipe ou sagas como Spider-VerseFutures End The Valiant as mulheres estão cada vez mais presentes na nossa mídia. São tantas novas personagens interessantes surgindo e protagonizando boas histórias que fica complicado fechar uma lista com as novas musas definitivas dos quadrinhos.

Há alguns meses atrás fizemos um primeiro artigo listando algumas novas personagens femininas marcantes e logicamente ficou faltando muita gente boa na lista. Então segue a segunda parte do artigo com mais alguns ícones femininos nos quadrinhos. As suas novas musas dos quadrinhos:

– Miss America

Nome: America Chavezamericachavez

Criador(es): Joe Casey e Nick Dragotta

Primeira aparição: Vengeance #1 (2011) – Marvel Comics

Descrição:

Retificando uma puta injustiça por não termos citado a moça no artigo original, colocamos a chutadora de bundas interdimensionais da Marvel em primeiro lugar na nossa segunda parte do artigo. America Chavez é uma humana originária da Dimensão Utópica da Marvel – a Terra – TRN 366, que fica localizada “fora da presença do tempo”. Tá complexo? Isso quer dizer que é uma dimensão fora do Multiverso Marvel. A moça foi criada por seus pais nesta dimensão utópica na presença de ninguém menos que a entidade mística ancestral conhecida como o Demiurge. America aparentemente absorveu parte dos poderes do Demiurge e tem capacidades sobre humanas como voo, super força, invulnerabilidade além de conseguir criar portais literalmente “chutando” portas dimensionais para outras realidades do Universo Marvel. Miss America deixou a Dimensão Utópica para se tornar uma heroína com aproximadamente seis anos, após ter testemunhado o sacrifício de seus pais para salvar sua dimensão de origem. A personagem que é uma das mais casca-grossas do Universo Marvel atualmente ficou mais conhecida como líder da mais recente formação dos Jovens Vingadores, mas também fez parte da Brigada Adolescente. America é curta e grossa, marrenta ao extremo, objetiva e justa, America sabe o que quer e geralmente tem poderes para fazê-lo, mas tem um coração enorme e um grande senso de responsabilidade com o Universo Marvel. Miss America tem mais conhecimento sobre os mistérios do Multiverso do que muito marmanjo na Terra-616 e pouca coisa a surpreende de fato. Apesar de muito jovem é uma personagem que quase não tem nenhuma insegurança devido a sua criação e vasta experiência com problemas multiversais.

– Equinox

Nome: Miiyahbin MartenEquinox

Criador(es): Jeff Lemire e Mike McKone

Primeira aparição: Justice League United #0 (2014) – DC Comics

Descrição:

Miiyahbin – é difícil escrever e mais difícil ainda pronunciar, mas guarde este nome. A jovem descendente da tribo Canadense Cree foi criada especialmente pelo autor Jeff Lemire (também Canadense) para representar com fidelidade e reverência o grande povo nativo Norte Americano. Para isso o escritor passou meses em contato direto com o povo Cree e estudou sua cultura, costumes, língua e mitologia. Equinox é inspirada na falecida Shannen Koostachin, ativista nativa Canadense que através de muito esforço conseguiu convencer o Governo Canadense a construir uma escola na Primeira Nação Attawapiskat, no Canadá. Miiyahbin é a mais nova membro da novíssima Liga da Justiça Unificada (Justice Legue United no original). A moça um dia retornando de seus estudos é convocada por uma entidade indígena ancestral com a missão de proteger o Planeta. A mesma entidade, chamada Whitago agora vive dentro de Miiyahbin e a guia além de conceder poderes – que mudam de acordo com as estações do ano (é bem estranho mesmo). Mesmo com somente 16 anos de idade a jovem se porta de igual para igual com pesos pesados da DC Comics como Homem-Animal, Arqueiro Verde e o lendário Caçador Marciano enfrentando ameaças dentro e fora do Planeta Terra. Miiyahbin é uma adolescente comum cheia de dúvidas e desconfiança, mas que se porta como uma heroína frente ao desconhecido. Recentemente no arco da DC Comics chamado Futures End, que se passa cinco anos no futuro da editora, Equinox é mostrada como uma altiva integrante da Liga da Justiça. 

– Deena Pilgrim

Nome: Deena PilgrimDeena Pilgrim

Criador(es): Brian Michael Bendis e Michael Avon Oeming

Primeira aparição: Powers #1/2 (2000) – Image Comics

Descrição:

Mais uma injustiça sendo sanada. Powers é a série sci-fi / policial criada lá no início da década de 2000 por Brian Michael Bendis e Michael Avon Oeming que conta as histórias da dupla de detetives Christian Walker e Deena Pilgrim. Os dois são designados especificamente para sanar casos relacionados a indivíduos com super-poderes em um mundo nada, nada, nada heróico. Deena trabalhou em quase todas subdivisões da polícia, incluindo S.W.A.T. e Narcóticos. A moça não tem poder algum que não seja sua enorme perspicácia, sua frieza frente ao perigo, seu instinto investigativo extremamente apurado, sua total falta de frescura e mimimi e seus comentários escatológicos e sarcásticos. Deena é a típica policial durona dos anos 1980 com uma puta boca suja e é o coração de Powers e responsável por praticamente todo o trabalho sujo e duro e por toda a diversão na série. Se um dia você já sonhou em ser uma detetive, você pode não saber, mas COM CERTEZA quer ser uma detetive como Deena Pilgrim. Com o término da HQ original, foi lançada em uma nova série chamada Powers: The Bureau, na qual Deena é promovida a Agente Federal e as investigações se tornam cada vez mais perigosas, bizarras e complexas. Recentemente a HQ foi adaptada em formato de seriado e será exibida exclusivamente via Playstation Network este ano. A atriz que interpreta Deena Pilgrim é Susan Heyward do seriado The Following.

– Rat Queens

ratqueens

Nome(s): Hannah, Violet, Dee e Betty

Criador(es): Kurtis J. Wiebe e Roc Upchurch

Primeira aparição: Rat Queens #1 (2013) – Image Comics

Descrição:

Você sempre ficou insatisfeita pela ausência de personagens femininos fortes e divertidos em séries de fantasia medieval? É frustrante pra você ver as mulheres sempre nos papéis de rainhas ou elfas intocáveis e etéreas cheias de névoa e magia por todos os lados? Pois Rat Queens chegou para mudar isso tudo. Primeiramente a HQ não apresenta somente uma, mas sim QUATRO protagonistas mulheres formando a guilda mais alucinada dos quadrinhos atualmente. Segundo que todas as classes que você ama dos seus tempos de D&D são estreladas por estas moças: Anã Guerreira, Ladra, Necromante e logicamente a Sacerdotisa Élfica – Todas lindas e mortais. Terceiro que Rat Queens não tem nada a ver com as séries medievais tradicionais com escrita rebuscada e personagens altivos. A revista é descaralhada desde a primeira edição com inúmeras referências à temas adultos como violência extrema, sexo e drogas, tudo muito bem contextualizado e inserido na trama elétrica protagonizada pelas “Rainhas”. Rat Queens ajudou a redefinir o formato das novas HQs independentes protagonizadas por mulheres e está abrindo portas para autores que se prestam a explorar o gênero. Além de uma leitura leve e divertida é um marco para o papel feminino no quadrinhos nesta década.

– Dra. Miragem

Nome: Shan FongDRA MIRAGEM

Criador(es): Bob Layton e Bernard Chang (Versão original) / Jan Van Meter, Robert De La Torre e David Baron (Reboot)

Primeira aparição: Valiant Reader #1 (1993) – Valiant Comics (versão original) / Shadowman #5 (2013) – Valiant Entertaiment (Reboot)

Descrição:

A Doutora Shan Fong consegue se comunicar com os mortos. Ela usa esta incrível habilidade mediúnica em seu trabalho como investigadora e eventualmente para ajudar as pessoas. A única alma com a qual ela não consegue se comunicar no entanto é a de seu falecido marido, Hwen. Das páginas de Shadowman para uma sensacional mini-série solo lançada em 2014, esta é a premissa básica da nova encarnação da personagem. Originalmente na década de 1990, Dr. Mirage foi um gibi paranormal protagonizado por um personagem masculino com uma co-protagonista feminina. O que a autora Jen Van Meter faz no reboot de 2014 é colocar Shan Fong como a personagem principal da série em cinco partes que explora o lado sobrenatural do novo Universo Valiant. A nova Doutora Miragem portanto, é uma jovem mulher sobrecarregada com o fardo de suas habilidades de comunicação com os mortos e ironicamente desconectada da pessoa que mais lhe é importante, seu marido. Shan é escrita de forma realista e tem uma personalidade prática, mas problemática, uma vida conturbada e cheia de cicatrizes emocionais. Assim como muitas mulheres que conhecemos. Uma personagem das mais tridimensionais da nova safra de personagens femininas. Dra. Miragem é um gibi misterioso, sensível, com um clima tenso e meio etéreo e uma ótima leitura para os fãs de ficção paranormal. A Dra. Fong é mais um ótimo exemplo de como personagens femininas podem e devem ser usadas de forma real e relacionável sem apelar para estereótipos estabelecidos.

– Silk –

Nome: Cindy MoonSilk

Criador(es): Dan Slott e Humberto Ramos

Primeira aparição: Amazing Spider-Man Vol. 3 #1 (2014) – Marvel Comics.

Descrição:

Na rabeira dos acontecimentos de Pecado Original, a saga da Marvel que “revelou” (leia-se “retconizou”) vários segredos do “passado” (o excesso de aspas se faz necessário, acreditem) dos personagens Marvel surge uma personagem que vai mudar para sempre a vida do Homem-Aranha (pelo menos pelos próximos 4 meses, né?). Ame ou odeie, Silk está entre nós e já é uma sensação no Universo do Aracnídeo. A jovem que passou metade de sua vida trancada para ser protegida do predador dimensional Morlun tem uma relação de atração (sexual mesmo) muito forte com Peter Parker. Silk atualmente é muito mais do que uma mera sidekick  nas revistas do Aranha. Ela faz parte de um núcleo narrativo próprio e está intimamente ligada ao grande evento do momento nas revistas do Cabeça-de-Teia, chamado Spider-Verse. Silk tem basicamente as mesmas habilidades do Homem-Aranha, sendo que é levemente mais veloz que o herói e produz sua própria teia que é gerada em glândulas em seus punhos e liberada pelas pontas de seus dedos. Silk é instável, impetuosa, curiosa, aventureira e displicente. A jovem passou metade de sua vida trancada em um quarto, portanto o mundo (e atualmente todo o Multiverso Marvel) é seu novo parque de diversões. Sua personalidade elétrica e impulsiva a faz muitas vezes roubar as cenas nos títulos que participa, como aconteceu recentemente na estreia da nova HQ da Mulher-Aranha. Silk é a nova cara nas revistas do Aranha e ao que parece estará entre nós por um bom tempo.

– Zephyr

Nome: Faith HerbertHAR_FAITH

Criador(es): Jim Shooter e David Lapham (Versão original) / Joshua Dysart (Reboot)

Primeira aparição: Harbinger #1 – Children of the eighth day (1992) – Valiant Comics (Versão Original) / Harbinger #4 (2012) – Valiant Entertaiment (Reboot)

Descrição:

Faith Herbert é uma das apostas mais ousadas da nova editora Valiant e da carreira do autor Joshua Dysart. A equipe criativa resolve inserir no meio da nossa conturbada e cheia de frescuras politicamente corretas mídia uma personagem que não só é uma adolescente nerd solitária e leitora de quadrinhos, ela ainda sofre de obesidade – Enfim uma receita para o desastre nos tempos sensíveis de hoje. O fato é que Dysart escreve Faith de uma forma tão natural, desnuda de estereótipos e real que fica impossível criticar o trabalho do autor com a personagem em Harbinger. Faith Herbert é um ícone da jovem nerd naturalmente (Talvez O ícone). Não há nada forçado na personagem que faça o leitor se compadecer ou torcer por um arco de superação de adversidades. A jovem é um exemplo de auto-aceitação, positividade e uma declaração ao mundo de que ser você mesma é o que te faz ser especial. Lado a lado com um elenco de completos desajustados, Faith (ou Zephyr) serve de bússola moral de seu time e geralmente é a voz da razão que guia os planos de Peter Stanchek e equilibra as coisas na equipe. Recentemente a personagem foi recrutada para a equipe de pesos-pesados da editora Valiant chamada Unity e agora estará ao lado dos maiores heróis da editora. Das Comics Shops e da internet para o mundo. Esta é a cara da nova nerd e a nova nerd não poderia estar melhor representada.

———————————————————————————————————————————————————————————————-

Nesta segunda parte mostramos que o universo feminino nos quadrinhos fica cada vez mais vasto e diversificado. Seja na ficção, mistério, fantasia ou nas tradicionais HQs de super-heróis, as mulheres estão cada vez mais presentes e com representação cada vez mais livre de moldes estabelecidos. Então aquela desculpa de que não há oferta de quadrinhos para meninas atualmente não pode ser usada. Escolha a sua diva e divirta-se.

Ah, e ficaram sim faltando algumas personagens. Diga abaixo quem você gostaria de ver em um terceira parte do artigo.

Veja também: Conheça alguns personagens que trocaram de sexo nos quadrinhos


VEJA TAMBÉM:

COMENTE:

© 2019 Proibido Ler. Todos os direitos reservados.