HQ do dia

Justice League #32

A DC divulgou em seu preview, então não é spoiler e eu posso finalmente anunciar: A Patrulha do Destino faz sua estreia nos Novos 52. Tecnicamente o time dos esquisitos mais amados da DC estreou na página final de Justice League 31, mas aqui é que a chapa esquenta de verdade. Geoff Johns malandramente se utiliza de pontas soltas deixadas no final de Forever Evil e coloca a nova Liga da Justiça em rota de colisão com Niles Caulder e seu time nesta edição. Justice League

Bastante ação, diálogos bacanas e muita coisa para os antigos fãs da Patrulha compararem (e logicamente reclamarem) entre o time Pré e Pós Novos 52. Johns novamente utiliza muito bem a figura de Lex Luthor e do Capitão Frio neste arco colocando os dois como os protagonistas no núcleo da Liga. Enquanto nas passagens da Patrulha do Destino, o roteirista usa Element Woman como ponto focal para mostrar as motivações de Niles e apresentar todo o time a novos leitores. O Dr. Caulder me pareceu um pouco manipulador demais em sua primeira aparição, no entanto é válido lembrar que na encarnação de Grant Morrison este personagem também tinha essa vibe meio filhadaputa, então acho que Johns não errou muito o alvo aqui.

A arte de Doug Mahnke neste número é excepcional. ótima caracterização do elenco, enquadramento simples e eficaz, cenas de batalha muito boas, acabamento certinho e Full Pages nas horas certas e com as expressões faciais adequadas. Tudo como manda o figurino em uma HQ desta magnitude.

Justice League #32 é mais uma prova do bem que Forever Evil fez a este título. Temos a introdução de novos personagens, conflitos internos e externos, um elenco modificado e variado e o fator “imprevisibilidade” que estava faltando antes da saga. Uma leitura de alto nível tanto pelo roteiro quanto a arte que provavelmente vai agradar os fãs que não se incomodarem muito com a nova encarnação da Patrulha do Destino.


VEJA TAMBÉM:

COMENTE:

© 2019 Proibido Ler. Todos os direitos reservados.