Projeto 'Survivor' | Luiza Caspary e sua forte relação com TLOU
in

The Last Of Us | Luiza Caspary e forte relação com game da Naughty Dog

A dubladora falou também sobre sua vida, música, relação com seu tio e o #projetoSurvivor

“The Last of Us” é uma franquia recente se comparado a outras como “Grand Theft Auto”, por exemplo. O título da Naughty Dog é um dos mais aclamados pelo público e crítica, trazendo uma história densa e cheia de detalhes sobre um apocalipse e os preços da cura. Um dos pontos fortes também é sua dublagem, tanto a original quanto a PT-BR. Muito disso por causa de Luiza Caspary. Jogue em alta velocidade com a internet SKY.

Luiza Caspary empresta sua voz e personalidade para Ellie, a protagonista. É claro que ela não é conhecida apenas por esse trabalho, mas muitos outros envolvendo dublagem, mas também dentro do mundo da música, com uma voz e som diferenciados. 

+ Veja mais detalhes dando play o vídeo abaixo.

E dessa vez, Luiza Caspary decidiu arriscar algo diferente, e que segundo ela, foi muito pedido pelos fãs: trazer covers de músicas tocadas em “The Last Of Us 2”. E foi assim que surgiu o “Projeto Survivor”, que em uma campanha no Catarse, busca trazer um curta contando um pouco de sua jornada e suas semelhanças com a de Ellie.

Tivemos a oportunidade de conversar um pouco com ela e conhecer mais sobre sua vida, sua história na dublagem e música, conhecendo ainda mais sobre seu novo projeto no Catarse.

Projeto Survivor | Luiza Caspary e forte relação com 'TLOU'
Imagem retirada da campanha do Catarse – #projetoSurvivor

Como surgiu a ideia do “Survivor”, trazendo o tema de “The Last of Us”?

Luiza Caspary: O projeto surgiu de um pedido feito pelos fãs, que queriam uma regravação das músicas do game; ‘Take on Me’, ‘Future Days’ e por aí vai; então resolvi ir atrás disso. Tudo ainda é um projeto, uma campanha de financiamento coletivo. A ideia é trazer essas pessoas que pediram para fazer isso acontecer comigo, já que precisamos correr atrás de direitos autorais das músicas, as editoras fora do Brasil, acompanhamento com advogado. Então era necessário o financiamento pelo alto custo do projeto.

Além das músicas, a ideia é gravar um curta mostrando a minha história e cenas da minha vida, que são muito semelhantes às da Ellie, chegando a ser até assustador.  E mostra o quanto eu devia tá nesse projeto e que era pra ser mesmo. O ‘Projeto Survivor’ então é uma pré compra, que os fãs do game e do meu trabalho, estão fazendo parte antes de começar a acontecer. Lembrando que não é uma vaquinha, já que elas estão ganhando uma recompensa com isso e fazendo parte. Então com a ajuda mínima o seu nome já aparece nos créditos de agradecimento, e quanto mais vai sendo doado tem posters, gravação de voz e um violão da Taylor idêntico ao do game.

O que mais você fez dentro da dublagem? Tem algo que tenha gostado mais de fazer ou foi um favorito? (que não seja a Ellie)

Luiza Caspary: Comecei em 2011 a dublar, fazendo pontas em ‘Killzone’; dei voz a Elena Fisher em ‘Uncharted 3’; participei do game 2D, ‘Child of Light’; a Faith em ‘Far Cry 5’; ‘The Walking Dead’, da Telltale; Coco em ‘Crash 4’; Seraphine em ‘League of Legends’. Dentro dos games é isso, mas tem muitas coisas no meio de animação, campanhas publicitárias e por aí vai.

Agora um favorito já é mais difícil, mas seria a Faith, que tem aquela coisa meio macabra e personalidade marcante que tornam ela antagônica.

Como surgiu esse amor pela música? Prefere fazer mais um do que outro – dublar e cantar?

Luiza Caspary: Não tenho preferência nenhuma. Sempre gostei muito do que faço, e por muito tempo tive conflito de achar que precisava ser uma coisa só. E o lugar que consigo mais expressar o que sinto são dentro das minhas músicas, já que trago aquele sentimento e as pessoas conhecerem quem é a Luiza, trazendo uma intimidade. Mas o meu nível de dedicação é o mesmo, só indo por caminhos diferentes, já que na hora da dublagem eu me transformo na personagem e deixo a Luiza de lado. Mas ambos acabam se complementando.

Em relação às músicas dentro do ‘Survivor’, você pretende cantar as músicas em inglês mesmo ou traduzir? 

Luiza Caspary: É uma ótima pergunta e que muitos podem estar achando que vai rolar uma tradução. Mas não, elas serão gravadas em inglês mesmo, principalmente pelo fato de que seria necessário um gasto ainda maior com direitos da música, tradução e aprovação dos donos da canção. Se a gente passar da meta desejada é uma chance, mas que no momento não está nos planos. 

Como foi todo o processo de dublagem de “TLOU”? 

Luiza Caspary: Praticamente todo tempo da captação de voz era no escuro, em que eu só tive acesso a 5% do jogo todo, vendo alguma cena. Minha referência é apenas a voz da Ashley Johson (voz original da Ellie), e o roteiro. Apenas isso. Sem contar a onda de áudio que fica na minha frente me ajudando a saber se estou fazendo a cena no tempo. Então é ouve e faz, com a direção do diretor que vai me guiando com o roteiro e o que está acontecendo na cena – já que ele tem acesso privilegiado ao material, dando o suporte necessário para o dublador. Mas o interessante é que às vezes tem cenas que nem ele sabe, então a gente vai descobrindo junto na hora e pelo som o que devemos fazer.

Sobre a morte do Joel, como foi gravar essa cena que é tão pesada?

Luiza Caspary: Foi muito legal, mas ao mesmo tempo intenso, já que eram cenas bem fortes. Porém isso acaba ajudando muito e a respeitar a cena – vendo a morte do Joel, o encontro com a Abby, o ‘Take on Me’ com a Dina. E foi muito mais envolvente e emocionalmente, já que só o áudio as vezes ficamos um pouco perdidos. Mas tendo acesso às imagens fica muito mais fácil se envolver. Depois de gravar a morte do Joel eu fiquei bem tensa, mais sensível. A gente acaba até levando isso pra casa com a gente.

Ficamos no processo de 1 ano e meio trabalhando no segundo game, Enquanto no primeiro foi muito mais rápido, Porém não foi um ano e meio todo dia, já que o produto chegava em pedaços pra gente no estúdio, então assim que chega me chamam para dublar.

Você tem preferência em dublar mais jogo, filmes ou séries?

Luiza Caspary: Difícil essa pergunta. Eu gosto muito de games pelo fato dele me tirar da minha zona de conforto, principalmente com a Ellie que preciso gritar muito e não sou uma pessoa – eu, Luiza – que faz isso. Então precisei ir em uma fono pra me ajudar nesse processo, e foi muito bacana. Mas também gosto de animação, trazendo toda uma questão de conscientização para o público infantil.

Projeto Survivor | Luiza Caspary e forte relação com 'TLOU'

O que você espera do ‘Projeto Survivor’, do final da campanha e o que vier depois?

Luiza Caspary: Essa pergunta é até engraçada, porque eu não sei o que eu espero haha. Eu só sinto que estou fazendo algo que me foi pedido, sendo que é a primeira vez que eu quis trabalhar em um projeto cover, já que nunca vi muito sentido nisso. Mas pelos pedidos achei que seria legal e deixar isso registrado para o público, mostrando um pouco da minha relação com meu tio, que é o meu Joel da vida real. Deixar uma mensagem verdadeira de amor e perdão, querendo tocar as pessoas que acessarem aquele material e se sentirem tocadas por ela.

O #projetoSurvivor segue no Catarse até dia 09 de novembro, até o momento com 92% do valor arrecadado. Para ocorrer é necessário alcançar a meta necessária de R$80.000, então bora ajudar e indicar para aqueles que curtem game, música e essa grande artista que é a Luiza.

E aí, curtiu?

Escrito por Guta Cundari

Do cinema para o jornalismo. Amante de filmes e games, fã filmes de terror trash e joguitos que duram meses. As Premiações pelo mundo todo que me aguardem e os noobs que sofram.

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Loading…

Loading…

0
Super-heróis e vilões da Marvel se enfrentam em novo álbum da Panini

Super-heróis e vilões da Marvel se enfrentam em novo álbum da Panini

O geek maromba que montou uma das maiores lojas de mangás da Shopee

O geek maromba que montou uma das maiores lojas de mangás da Shopee