in

HQ do Dia | Survivors’ Club #1

Uma lista na internet. Todos na lista estão mortos, exceto por 6 indivíduos. Algo horrível aconteceu com essas pessoas em 1987. Traumas distintos que os assombram até hoje. Uma dessas pessoas é Chenzira Molenko, uma imigrante Sul Africana especialista em video games que sofreu uma experiência demoníaca em sua infância no Soweto. Agora os demônios estão de volta e “Zira” em meio a uma investigação descobre a tal lista e reúne o bando de desajustados que forma este “Clube dos Sobreviventes”.
Survivors’ Club é um dos primeiros lançamentos da nova linha de títulos Vertigo (veja a lista completa aqui) em 2015 que começam a ser publicados este mês pela DC Comics. O roteiro do gibi é uma colaboração entre a autora Sul Africana, Lauren Beukes (que além de romances escreveu o spin-off de “Fábulas” chamado “Fairest”) e o jornalista especializado em video games Dale Halvorsen. A HQ é totalmente ilustrada por Ryan Kelly, veterano da Vertigo que já trabalhou em “Livros de Magia” e “Lúcifer”.
HQ do Dia  Survivors' Club #1
O roteiro da primeira edição apresenta uma premissa um pouco manjada no que se pode definir como histórias de horror em grupo, porém não deixa de instigar a leitura por conta das personalidades conflitantes do elenco e do interesse geral do público em desgraças alheias. Os autores não entregam o jogo logo de cara e dão somente breves pinceladas nos traumas de cada um dos integrantes do clube nesta estreia, focando mais no flashback de “Zira” e na dinâmica estabelecida entre os personagens. Há muito espaço para boas histórias de horror em Survivors’ Club e os autores aparentemente levarão o gibi de modo a apresentar cada um dos protagonistas de forma cadenciada. Se você tiver paciência para este tipo de formato, é uma boa escolha. Há muitos esqueletos nos armários deste pessoal aqui e este é o mérito da primeira edição. Pode parecer que não há um gerenciamento de elenco muito uniforme, mas aparentemente isso faz parte do formato da série. A parte do horror ainda é sutil, temos algumas cenas mais fortes, mas nada que impressione ou choque. Tudo bem encaixado no roteiro e sem apelação para a violência gratuita.
A arte de Ryan Kelly é o destaque em Survivors’ Club. Com boa parte do roteiro se passando em uma casa com os personagens conversando, o risco desta primeira edição se tornar monótona era bem alto. No entanto o ilustrador consegue um ótimo resultado gráfico e torna a leitura prazerosa através de ferramentas muito simples: Boa caracterização do grande elenco, cenários bem feitos, linguagem corporal inteligente, sequência de quadros inteligível e expressões faciais marcantes. Kelly tem um traço clássico de quadrinhos bem limpo e isso facilita muito o entendimento das sequências em flashback e mesmo quando faz umas “gracinhas” no enquadramento, isso de forma alguma compromete o fluxo de leitura da revista. Repare como o design de páginas nas cenas dentro da casa de Alice Taylor (onde ocorre a primeira reunião do Clube) é praticamente o mesmo em comparação com as externas e os flashbacks que são intencionalmente mais caóticos. Isso é uma estratégia visual bem sutil que envolve o leitor sem ele nem perceber.

Survivors’ Club não é uma edição de estreia “arrasa quarteirão” que vai deixar o leitor de quadrinhos adultos sedento pelas próximas edições. Temos um bom roteiro de horror sobrenatural com um elenco bem problemático (no melhor sentido da palavra) em um ritmo cadenciado e uma apresentação gráfica bem honesta. Para quem anda carente de bons títulos do gênero, vale a pena dar uma conferida e ver se a premissa e o andamento do roteiro desta primeira edição agrada.

Veja também: HQ do Dia | Lando – Série Completa

E aí, curtiu?

Escrito por Igor Tavares

Carioca do Penhão. HQ e Videogames desde 1988. Bateria desde 1996. Figuras de ação desde 1997. Impropérios aleatórios desde 1983.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading…

Loading…

0

Jessica Jones | Trailer completo da série

Trickster | Um curta fantástico inspirado em “Matrix”