in

Warcraft – O Primeiro Encontro de Dois Mundos | Será esta a redenção dos filmes baseados em games?

O mundo conheceu o trailer de Warcraft – O Primeiro Encontro de Dois Mundos e, em pouco mais de dois minutos tivemos a oportunidade de saber, ainda que pouco, o que esperar desse filme no futuro. Muito se especulou sobre a sua produção, a promessa logo de cara, era era para o longa chegar em 2014 e ser dirigido por Sam Raimi. O filme foi adiado para 16 de junho de 2016, Sam Raimi desistiu do projeto e quem assumiu foi Duncan Jones, mesmo que dirigiu os filmes Contra o Tempo (2011) e Lunar (2009).

Segundo o Hollywood Reporter, A Universal chegou a dizer recentemente, que não estaria satisfeita com o resultado de Warcraft por considerá-lo “problemático”, porém não ficou claro os motivos que levaram o estúdio a ver a produção dessa forma. Não se sabe se é algo relacionado ao processo criativo ou se as razões vêm de problemas orçamentários.

Durante a BlizzCon, convenção feita pela empresa para anunciar todas as novidades e juntar fãs da Blizzard de todo o mundo, foi divulgado o tão esperado trailer, e agora a internet se redobra na intenção de julgar se é esse filme  que vai colocar um ponto final na maldição que recai sobre os longas baseados em jogos de videogames.

Não preciso dizer sobre tudo o que já vimos até hoje em matéria de filmes baseados em games, acredito que os únicos que eu tenha gostado muito até hoje veio direto dos Arcades. Double Dragon (1994) e Mortal Kombat (1995), foram filmes que marcaram a minha infância e talvez por isso eu tenha gostado tanto. Mas hoje, eu prefiro nem reassistir para manter um sentimento puro em relação aos filmes. Entretanto, existem alguns que me decepcionaram bastante, entre eles estão: Street Figher (1994), Final Fantasy (2001), Lara Croft – Tomb Raider (2001), Resident Evil (2002), Max Payne (2008) e o último que tive a oportunidade de assistir, Hitman: Agente 47. Todos esses títulos comprovam que muito precisa ser feito para acreditar que desta fonte possam surgir produções relevantes.

warcraft-o-primeiro-encontro-de-dois-mundos-sera-esta-a-redencao-dos-filmes-baseados-em-games

Isso acontecia bastante com filmes de super-heróis e hoje estamos vivendo uma nova fase. Os filmes baseados nas histórias em quadrinhos entraram em um novo patamar, e a estrada para chegar onde eles se encontram no momento foi longa, árdua e tortuosa. Ainda, porém, eles chegaram e estão construindo algo digno de apreço em sua maioria. A Marvel Studios está ai para não me deixar mentir, mas até chegar onde ela chegou, demorou e demorou muito. Desde o primeiro X-Men, lançado em 2000 (eu sei que os direitos não pertecem à Marvel Studios), e X-Men (2003), algo bom da Marvel só foi lançado cinco anos depois com a estreia do primeiro filme Homem de Ferro nos cinemas. Tudo bem que antes disso, surgiu em 2005, Batman Begins, o primeiro filme do Batman dirigido por Nolan, mas sobre esta trilogia prefiro me abster de comentários. Enfim… continuando… a partir daí, vivemos uma nova era nos filmes que tem como protagonistas super-heróis.

warcraft-o-primeiro-encontro-de-dois-mundos-sera-esta-a-redencao-dos-filmes-baseados-em-games3

O que eu quero dizer com tudo isso? Será que Warcraft – O Primeiro Encontro de Dois Mundos realmente viverá a redenção dos filmes baseados em games? Ou será apenas a ponta do iceberg? Exceto por Senhor dos Anéis e as Crônicas de Narnia, tivemos filmes com a mesma temática de Warcraft e que não foram tão bem. Entre eles estão: A Lenda de Beowulf, A Bússola de Ouro, Fúria de Titãs, Eragon, Dragonquest, O Segredo do Vale da Lua, o Sétimo Filho e por que não O Hobbit?

Warcraft | Assista o primeiro trailer do filme

Warcraft – O Primeiro Encontro de Dois Mundos aborda o conflito gerado pelo primeiro contato entre orcs e humanos, mostrando os dois lados da história. De um lado está Anduin Lothar (Travis Fimmel), o personagem principal da Aliança, que sacrificou tudo para manter salvo o povo de Azeroth, e do outro Durotan (Toby Kebbel), o principal personagem da Horda, nobre chefe do clã Frostwolf, que batalha para salvar seu povo e sua família da extinção. No trailer conhecemos um pouco de como vão abordar esse conflito e a potência dos efeitos especiais, dos CGIs mágicos que dão vida aos Oscs, Grifos e um mundo com uma beleza exuberante que nós já vimos em filmes que eu citei anteriormente.

Até ai nenhuma novidade certo? Existe algo de redentor nisso?

Em uma entrevista ao EW, o diretor Duncan Jones prometeu que o filme baseado no jogo criado há duas décadas pela produtora Blizzard, quebrará a “maldição” das péssimas adaptações de games para os cinemas.

“Em primeiro lugar, eu diria que esse estigma também já foi associado às adaptações de quadrinhos. Foi preciso uma geração inteira de cineastas, que cresceram lendo quadrinhos e amam isso, para criar filmes relevantes do gênero. Acho que isso é o que acontece com filmes de videogames”

“Eu sou da geração dos gamers que jogavam Atari, Commodore 64 e o Amiga. Sou um gamer de coração e sempre fui”, continuou. “Mas também sou cineasta. Acho que a minha sensibilidade com os personagens e a narração de histórias vêm automaticamente quando estou trabalhando com qualquer tipo de narrativa. Não importa a fonte, sempre tentarei fazer uma história intrigante com personagens relacionáveis”.

Obviamente que nenhum diretor vai dizer que fez um trabalho medíocre, mas é necessário cautela. Daniel Wu, o ator que interpreta Gul’dan em WarCraft falou à IGN que o filme de Warcraft deve “suplantar O Senhor dos Anéis.

“É o maior filme que já fiz, e acho que o uso de tecnologia em filmes é o futuro de vários gêneros. As animações estavam 95% prontas quando as vi, e dava pra ver a umidade na pele dos orcs e seus olhos cheios de emoção”, diz. “Acho que o maior trunfo de Warcraft será a emoção: depois de um tempo, você esquece que aqueles personagens foram criados, parcialmente, por técnicas digitais”.

Duncan Jones disse que o filme está finalizado, pronto e guardado dentro de um cofre na Universal esperando apenas a data de estreia e quem viver verá.

Enfim, o que vimos até agora é algo muito superficial para acreditar que daí, possa surgir algo relevante para a sétima arte. Assim como aconteceu com os filmes baseados em histórias em quadrinhos, Warcraft ainda vai percorrer uma estrada árdua e sinuosa até conquistar a tão sonhada redenção e que talvez nem seja esta produção o divisor de águas. Em 2016 teremos também, Assassins Creed, que será estrelado por Michael Fassbender, ou seja, tem muita água para rolar.

Até lá, minhas expectativas estarão resguardadas e serão liberadas poucos minutos antes do filme começar.

Veja também: Warcraft | Assista o primeiro trailer do filme

E aí, curtiu?

Escrito por Bruno Fonseca

Jornalista, apaixonado por quadrinhos, filmes, séries e retrogames. Espero que você alcance o sétimo sentido em todos os âmbitos da vida.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading…

Loading…

0

Jessica Jones – 1ª temporada | A produção mais obscura da Marvel até agora

Boku no Hero Academia | Mangá ganhará adaptação animada