HQ do Dia

Estelar #1

O casal de roteiristas responsável pelo sucesso de vendas e público Harley Quinn,  Amanda Conner e Jimmy Palmiotti (com quem nós já batemos um papo exclusivo) foi incumbido de uma nova missão: Construir uma base de fãs fiel o suficiente para sustentar um gibi solo de Estelar na nova linha de quadrinhos da DC Comics.

Estelar #1 é a primeira HQ solo da personagem na editora após o reboot de 2011 e nos mostra o que acontece quando a princesa alienígena resolve simplesmente viver sua vida aproveitando o que este nosso planeta pode oferecer de melhor a seus habitantes.

O gibi é totalmente ambientado na ilha de Key West na Flórida e a primeira edição resume muito bem a índole e personalidade da jovem atualmente: positividade pura.

Conner e Palmiotti dão um pequeno resumo da trajetória de Koriand’r antes de sua chegada ao nosso planeta seHQ do Dia | Estelar #1 valendo de um depoimento a Xerife local, Gomez. No flashback, que é rápido (duas páginas) e bem instrutivo para novos leitores aprendemos tudo que é preciso saber sobre Kori (inclusive seus poderes).

Daí pra frente vamos seguindo a personagem pela bela ilha enquanto as introduções do elenco de apoio são devidamente feitas e a trama é estabelecida. Os autores tem um cuidado extremo com a caracterização da protagonista.

Em momento algum Estelar é ingênua além da conta, muito menos vulgar ou boba. Este é um balanço extremamente delicado que é executado com maestria em cenas que poderiam ser verdadeiros desastres nas mãos de autores com menos sensibilidade feminina (como por exemplo a cena do beijo).

Kori é mostrada como um “peixe fora d’água”, que desconhece nossos costumes, expressões e maneirismos terrenos, mas a HQ em momento algum ridiculariza a protagonista ou faz disso seu tema principal.

Por mais que haja um cuidado muito grande com diálogos, ambientação e tom do humor na revista, o roteiro de Conner e Palmiotti peca em apresentar ação. Se você quer ler algo sobre uma princesa alienígena tentando entender nosso mundo em uma pequena cidade praiana vai se divertir com Estelar.

No entanto se você busca alguma cena de ação super heroica não encontrará quase nada disso nesta primeira edição. O que fica claro é que há um planejamento a longo prazo para as aventuras da jovem neste título e eventualmente ela terá de usar seus poderes da maneira que os fãs de super herois da DC esperam. Só não nesta edição de estreia.

A arte de Emanuela Lupacchino nesta primeira edição é simplesmente arrasadora, exuberante e deliciosa. Tudo é colorido, claro e vivo como deve ser um lugar ensolarado como Key West (visitem). Se o roteiro morno não te fisgar, com certeza as caracterizações certeiras, o enquadramento cinético e simples e as expressões corporais e faciais de extrema naturalidade vão te pegar.

Koriand’r (aliás todo este elenco) fala, anda, se veste e se porta de maneira totalmente vívida. A artista se aproveita ao máximo da locação e oferece belos quadros grandes com cenários de fundo lindos. Não há o que não gostar em termos visuais nesta HQ.

Estelar #1 é uma estreia surpreendente justamente porque se atém a contar a história de uma garota alienígena querendo nos entender e aproveitar o nosso planeta e nada além disso. A premissa parece bem simples e é. Não há uma conspiração escondida, um vilão tramando algo nos bastidores ou um combate épico aqui.

É tudo bem mundano e isso invariavelmente diferencia este número 1 de edições de estreia nas quais sempre temos aquela cena introdutória com o herói quebrando algum vilão genérico. Amanda Conner e Jimmy Palmiotti aparentemente entram no universo de Koriand’r na contra mão do gênero e esta abordagem juntamente com a arte espetacular de Emanuela Lupacchino acaba injetando uma energia diferente e muito refrescante nesta leitura.


Veja as outras resenhas dos primeiros títulos da DC pós-Convergence:


VEJA TAMBÉM:

COMENTE:

© 2019 Proibido Ler. Todos os direitos reservados.