Alex Kidd in Miracle World DX | Uma viagem nostálgica e divertida
in

Alex Kidd in Miracle World DX | Uma viagem nostálgica e divertida

Remake renova o popular game do Master System

Foram necessárias três décadas e alguns anos para “Alex Kidd in Miracle World”, o jogo mais popular do Master System, ganhar um rameke. Tal demora nem se deu por circunstâncias de falta de planejamento, nem de desenvolvedores, precisava mesmo um estúdio acreditar no potencial do garotinho do planeta Aries do que qualquer outra coisa. 

Então, a Merge Games apostou na ideia de fazer um remake. Sim, mais um grande nome dos games ganhou seu espaço na prateleira de remakes, trazendo a nostalgia de uma época incrível e simples, para aqueles que sabiam apreciar a essência e encarar dificuldades em uma fase.

Com o título, “Alex Kidd in Miracle World DX” encontramos a essência fiel do que jogamos no Master, e até mesmo em emuladores caso você seja da nova geração, com sua dificuldade estonteando em movimentação um pouco mais estática com o 2D e criaturas que eram simples, porém poderosas. Chega até ser engraçado o quão fácil elas são, porém acabamos morrendo por bobagem ou uma andada errada que nos faz ser atingido por ele ao se movimentar.

Temos momentos frenéticos e calmos durante a campanha, nos deixando aproveitar o ambiente recriado do clássico. Conseguimos até mesmo jogar com o visual antigo do game caso seja escolhido fazer a campanha no modo “vida infinita”, em que podemos morrer o quanto quiser, mas o jogo nunca dá game over. Porém a graça dele é o desafio, então já aviso que a diversão é maior jogando no modo normal.

Alex Kidd in Miracle World DX | Uma viagem nostálgica e divertida

Pode parecer loucura, mas uma das fases que eu mais gostei de fazer e normalmente não é assim, foram as fases embaixo d’agua. Elas podem ser difíceis, mas acabam sendo bem divertidas de se encarar e até melhores nesse modelo remake. Algo que também me diverti muito, foi jogar com a moto no meio da floresta, já que conseguimos adquirir alguns itens em lojas no início de alguns mundos com as moedas que coletamos. Poder de fogo, moto, vida extra e muitos mais são as opções da loja e necessárias se usadas com sabedoria.

O gráfico e a trilha sonora são incríveis, a forma como o cuidado foi tomado com cada detalhe para não perder sua essência é o que fazem “Alex Kidd in Miracle World DX” ser o que é. Apresentando uma experiencia diferenciada para a nova geração, já que muitos que jogaram a primeira versão devem ter filhos e vão ter a possibilidade de apresentar esse mundo novo aos jovens gamers dessa geração.

Alex Kidd in Miracle World DX | Uma viagem nostálgica e divertida

Apesar de ter gostado muito de tudo num geral, sinto que alguns comandos poderiam ser melhores em certos momentos, já que o costume em jogar com o analógico para a movimentação as vezes pode atrapalhar um pouco por conta da sensibilidade. Mas isso é algo realmente bem pessoal meu, já que dificilmente uso os botões direcionais atualmente, mesmo nos games clássicos que ganham remaster ou remake.

“Alex Kidd in Miracle World DX” é um remake necessário, pois somos transportados para uma experiencia única que hoje em dia é difícil de ser encontrada, já que muitos não querem ter que baixar um emulador para testar algo “antigo”. Esse é mais um game de sucesso que ganha uma repaginada e que pode ensinar a geração atual a curtir uma boa experiencia com o controle ou teclado na mão.

“Alex Kidd in Miracle World DX” está disponível para PlayStation 4, Nintendo Switch, Xbox One, Microsoft Windows, Xbox Series X, PlayStation 5.

E aí, curtiu?

Escrito por Guta Cundari

Do cinema para o jornalismo. Amante de filmes e games, fã filmes de terror trash e joguitos que duram meses. As Premiações pelo mundo todo que me aguardem e os noobs que sofram.

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading…

Loading…

0
Curiosidades sobre o filme 'Baile de Formatura' (1980)

Curiosidades sobre o filme ‘Baile de Formatura’ (1980)

Censor (2021) | Uma crítica as formas de censura