Curiosidades sobre Blade Runner – O Caçador de Androides (1982)

Poucos filmes se tornam atemporais mesmo décadas depois de serem lançados no cinema – e talvez o exemplo mais claro que temos disso é o icônico Blade Runner – O Caçador de Androides (1982), longa-metragem neo-noir que revolucionou tanto o gênero da ficção científica quanto o suis generis das mirabolantes e dramáticas histórias detetivescas dos anos 1940 e 1950.

Apesar de ter dividido os críticos à época de sua estreia, o filme dirigido por Ridley Scott sem dúvida alguma é um marco na História do cinema. Baseado no romance Androides sonham com carneiros elétricos? (1968), de Philip K. Dick, a história é centrada em novembro de 2019 numa decadente, futurista e distópica Los Angeles, perscrutada pela poluição excessiva, consumismo exacerbado e a incessante busca de novas formas de colonização – e, conforme os seres humanos partem para outros planetas, androides conhecidos como Replicantes substituem as tarefas nocivas tanto na Terra quanto fora dela. Logo depois de um motim organizado por essas máquinas, elas são banidas para fora do planeta até que um grupo consegue escapar da prisão e se esconder nas ruas de Los Angeles, levando um Caçador de androides a sair de sua aposentadoria para mais um trabalho.

A obra de Scott torna-se visionária de diversas perspectivas, principalmente levando em conta que, no lançamento do filme, o conceito de globalização começava a ser difundido com um prospecto positivo para a maior parte da população mundial. Entretanto, aqui, esse conceito culmina em uma resolução catastrófica, melancólica e deprimente – como supracitado. E, para mais além de uma simples composição sci-fi, Blade Runner é uma crítica irônica ao espectro do moralismo e da ética e, mais ainda, do sentido da vida.

É claro que o sucesso alcançado não seria o mesmo sem um elenco perfeito. Harrison Ford ganhava ainda mais aclamação ao sair da franquia Star Wars (iniciada em 1977) como Han Solo apenas para encarnar o memorável o oficial Deckard – que inclusive participaria de um irretocável plot twist e retornaria à franquia mais de trinta anos depois com Blade Runner 2049 (2017). O restante do elenco, no entanto, também não ficava muito atrás: Rutger Hauer, Sean Young, Daryl Hannah e muitos outros também entraram nos holofotes da indústria cinematográfica.

E na nossa mais nova homenagem, separamos algumas curiosidades que parte dos fãs pode não conhecer – curiosidades essas que vão desde a concepção prematura do filme até segredos de bastidores revelados apenas anos depois. Confira abaixo a nossa lista e não se esqueça de deixar seu comentário!

  • Ridley Scott e Jordan Cronenweth alcançaram o clássico efeito dos “olhos brilhantes” utilizando uma técnica inventada por Fritz Lang conhecida como “processo Schüfftan”: com um espelho a quarenta graus em relação à câmera, a luz de certa lâmpada era refletida nos olhos dos atores.
  • Depois de Pris (Daryl Hannah) conhecer Sebastian (William Sanderson), ela corre dele, indo em direção a seu carro e quebrando a janela com seu cotovelo. Este foi um erro genuíno causado por Hannah, que escorreu no chão molhado e quebrou o vidro não cenográfico. Ela teve que fazer uma sutura com oito pontos no ferimento.
  • A “escama de cobra” vista no microscópio eletrônico era, na verdade, um cigarro de maconha.
  • O termo “Replicantes” nunca foi utilizado no livro de Philip K. Dick. No romance, as máquinas são chamadas apenas de androides ou droides.
  • Dick assistiu apenas a vinte minutos do filme antes de falecer no dia 02 de março de 1982. Mesmo assim, ele ficou extremamente impressionado com a obra.
  • Blade Runner é o filme favorito de Rutger Hauer.

  • Scott inicialmente tinha em mente um cenário misturado entre São Francisco e Los Angeles (uma cidade conhecida como São Angeles). A ideia foi descartada e utilizada no filme O Demolidor (1993).
  • Alguns monitores de computador dentro dos veículos foram usados no thriller sci-fi Alien – O Oitavo Passageiro (1979). Alguns sons deste longa também podem ser ouvidos na produção.
  • O final da sequência de apresentação, no corte para os cinemas, contém filmagens não utilizadas de O Iluminado (1980).
  • Blade Runner sofreu para conquistar a bilheteria, visto que foi lançado à mesma época que ET.: O Extraterrestre (1982), de Steven Spielberg.
  • O cenário de Hades na sequência inicial foi filmado através de perspectiva forçada, em que uma miniatura é utilizada em primeiro plano para contrastar com um cenário grandioso. Névoa foi usada também para criar a sensação de profundidade.
  • Este é o filme favorito da carreira de Scott. O corte de 2007 é o seu preferido.
  • A maquiagem de Hannah foi inspirada em um clássico personagens dos filmes de terror, o protagonista-título de Nosferatu: O Vampiro da Noite (1979).

  • O estilo de cabelo de Rachael (Sean Young) e seu elaborado guarda-roupa foram inspirados nas preferências da lenda do cinema clássico, Joan Crawford.
  • Rick Deckard é chamado apenas pelo sobrenome. Não há menção por seu primeiro nome em nenhum momento do filme.
  • Blade Runner é dedicado ao irmão de Ridley Scott, Frank, que morreu em 1980 antes das produções começarem por definitivo.
  • Parte da equipe se referia ao longa como “Blood Runner”.
  • A data de incubação (nascimento) de Pris (Hannah) é o Dia dos Namorados nos Estados Unidos, 14 de fevereiro.
  • Arnold Schwarzenegger foi considerado para dar vida a Rick Deckard antes do papel ir para Ford. Dois anos depois, o ator entraria para outra franquia sci-fi, O Exterminador do Futuro (1984).


VEJA TAMBÉM:

COMENTE:

© 2019 Proibido Ler. Todos os direitos reservados.