Nocaute

Uma crítica severa a realidade de muitos jovens de periferia no Brasil

É difícil fazer uso da critica em obra literária com uma sensibilidade tão distinta como eu pude observar em Nocaute, novo trabalho dos jornalistas Anderson Fernandes e Débora Kaoru, falamos em novo, pois já resenhamos sua obra anterior chamada “Entre Quatro Poderes” que usava também como pano de fundo a crítica, mas desta vez sobre a corrupção política no país.

Em Nocaute nós somos apresentados a história de Antônio, mais conhecido como Pitbull. Antônio não teve muita sorte na vida, aliás, não teve sorte nenhuma desde que nasceu. Desde o ventre de sua mãe, Antônio não era desejado, minto – Antônio não foi planejado, seu pai era um traficante, sua mãe uma moça que além de ter que lidar com uma gravidez na adolescência não teve a chance de sorrir com o filho no colo. Seu pai foi assassinado pelo avô numa espécie de vingança pelo que fez com a filha, também foi o mesmo que entregou o neto como se fosse uma mercadoria para o tio de Antônio e se debandou para o nordeste do país. Antônio cresceu sendo educado por aquele que o acolheu e se esforçou muito para isso, mas o destino não era legal com Antônio, seu tio que era um policial, logo foi assassinado num dia que estava fazendo o famoso “bico”. Antônio foi entregue para um abrigo e lá sua trajetória de vida começa a ser traçada. Não é uma das mais belas trajetórias de vida que você vai ver conhecer, mas também não é tão diferente de muitos casos que estampam os programas policialescos sensacionalistas que passam nas tediosas tardes regados a bons conteúdos da TV aberta.

uma-critica-severa-a-realidade-de-muitos-jovens-de-periferia-no-brasilA história de Pitbull tem muito a dizer sobre as injustiças da vida, tem muito a dizer sobre a redução da maioridade penal e também sobre como agarrar as oportunidades que a vida lhe dá. É possível recuperar alguém que só se fodeu na vida mesmo antes de nascer? É preciso reduzir a maioridade penal? Como encarar a sociedade sendo que do viés dela, você tem apenas a classificação de marginal? São essas e outras questões abordadas pela dupla de jornalistas em Nocaute.

Nocaute é um livro muito fácil de ler e você consegue terminá-lo rapidamente. Pois sua narrativa é simples e, é de entendimento de qualquer um. Os autores se preocuparam em situar o leitor o tempo todo e não usaram muitas referências que de alguma forma não fazem parte do cotidiano de qualquer pessoa. Aliás, o livro usa diversos artifícios para aproximar ainda mais o leitor, algum como as regiões de São Paulo onde a história se passa,  músicas que são conhecidas pela maioria e também em situações que muito se assemelha ao cotidiano dos paulistanos.

uma-critica-severa-a-realidade-de-muitos-jovens-de-periferia-no-brasil2

É evidente o uso de técnicas do jornalismo misturado com a literatura, ou seja, o jornalismo literário. Anderson e Débora conseguiram tornar uma história de ficção quase real. Eu cheguei ao ponto de questionar várias vezes se o que eu estava lendo era baseado numa história real ou se toda a vida de Pitbull era apenas ficção. E a partir do momento que você causa essa sensação no leitor, o objetivo do livro já foi atingido. Algo que é bem característico desses jornalistas, pois em seu trabalho anterior, Entre Quatro Poderes,  também tinha essa mesma pegada.

Você fazer uma história fictícia quase que se transformar em uma história real não é algo simples de ser feito e nisso os autores tiveram uma lucides significativa para o resultado final do livro. O trabalho de pesquisa foi muito bem executado e talvez por causa deste trabalho foi possível trazer o clima de realidade ao livro ficcional.

Nocaute não é um livro de auto ajuda e muito menos um livro de superação. Apesar de qualquer história que seja relacionado a artes marciais como Boxe, MMA, Karatê ou qualquer outra atividade esportiva, traz esse cunho na alma. Nocaute é um livro sobre cair e levantar, sobre apanhar e nunca desistir da luta e a luta aqui não é num octógono e nem em um ringue, a luta aqui é com a sociedade que o ser humano vive e convive. Nocaute me lembrou muito aquela frase do pensador Rocky Balboa:

“Ninguém baterá tão forte quanto a vida. Porém, não se trata de quão forte pode bater, se trata de quão forte pode ser atingido e continuar seguindo em frente. É assim que a vitória é conquistada.”

É exatamente sobre isso a história de Antônio vulgo Pitbull, quer dizer… é exatamente sobre isso a mensagem que Nocaute passa ao leitor quando este chega ao fim do livro.

Nocaute é um livro de 184 páginas publicado pela editora Buriti e garanto que é uma leitura que deve ser feita por todos. Só assim nós poderemos entender um pouco mais sobre aquelas questões que eu fiz no inicio da resenha.

Se você se interessou pelo livro pode adquirir direto com os autores através deste link.

Gostou? Tem mais:


VEJA TAMBÉM:

COMENTE:

© 2019 Proibido Ler. Todos os direitos reservados.