Redação Indica #5

Jefferson (Jeff)

Neste quinto redação indica, eu (Jefferson, Jeff, ou ainda, @Gato_paspalho), com toda a minha elegância e Whiskas Sachê mostrarei a vocês coisas das quais gosto muito e por esse motivo talvez vocês possam gostar também, ou não né, mas vocês tão perdendo tempo mesmo pelo menos vão perder tempo com qualidade, bola pra frente.

Gosto de coisas com teor semiótico, filosófico, psicológico, metafórico, coisas piradas entrelinhas, então se você também gosta desse tipo de coisa, vem comigo, vamos viajar nesse balão:


1- Anime

Paranoia Agent (2004)

Uma série de ataques vem amedrontando as pessoas e o autor destes ataques é chamado de “Shounen Bat”. Sua primeira vítima é uma tímida e jovem designer chamada Tsukiko Sagi. Dois detetives estão determinados a encontrar o responsável e assim impedir novos ataques, mas isso não é tão fácil quanto parece e eles encontram uma série de dificuldades e peculiaridades no caso.

Não deixe este plot te enganar, esse é um dos melhores animes que eu já vi em toda a minha vida. Cada episódio é espetacular a sua própria maneira e o “Shounen Bat” é algo muito maior do que um garoto com um bastão. Este anime literalmente trabalha com a mente e é uma critica social primorosa, temos aqui literalmente tudo de mais alucinado que se possa imaginar e nenhuma barreira, são apenas 13 episódios e um Plot Twist no meio do caminho que dá um conceito completamente novo a obra e a faz transcender. E você vai querer ver de novo pois você irá ganhar novos olhos.

2- Música

Nine Inch Nails

Eu juro que tentei deixar NIN de fora, mas não tem jeito, quem me conhece sabe que sou fã incontestável e bem, a discografia da banda encaixa muito bem com a proposta do post pois temos aqui vários álbuns conceituais com músicas que se ligam.

Mais do que isso, Trent Reznor consegue contar suas histórias não somente com as letras, mas com o som, você literalmente pode sentir o que está acontecendo. Vamos lá, ouça o álbum, analise a letra, analise o som, entre dentro dessa experiencia, entre dentro dessa espiral. Aconselho ouvir com fones de ouvido.

3- Mangá

Liar Game

Nao Kanzaki, uma estudante extremamente honesta, um dia recebe um pacote contendo 100 milhõs de ienes e uma carta. Ela então descobre que faz parte do seleto grupo de 1 em cada 100.000 pessoas que foram escolhidas para participar de um jogo que pode resultar em extrema riqueza ou na desgraça total.

 O que define quem ganha e quem perde? Sua capacidade de enganar e manipular outras pessoas. E então qual será o desfecho deste jogo que explora os limites da psicologia humana?
Redação Indica #5  Jefferson (Jeff)
Liar Game é um dos (se não o) mangá mais inteligente que já li. Através de jogos aparentemente simples mas que dão uma pressão psicológica absurda, aos quais também são manipuláveis (ou melhor, os jogos em si nem são tão manipuláveis assim, é mais um jogo de mentes trapaceiras que literalmente não se importam em levar os companheiros ao inferno) o autor consegue trazer a tona o que há de pior e melhor no ser humano.
Redação Indica #5  Jefferson (Jeff)
Não pense que Nao é uma personagem sem sal pela sua honestidade, muito pelo contrario, ela é incrível e se mantem honesta e justa sempre, ela se mantem santa no inferno e tenta resgatar os pecadores. Dentro de um jogo de mentiras, ela consegue se manter verdadeira até o final, mesmo que isso possa ser extremamente ruim para ela, afinal, ela está em meio a cobras desesperadas sem um pingo de empatia. Destaque também para o não menos importante Shinichi Akiyama, um gênio que muitas vezes rouba a cena e que ajuda Nao o tempo todo, a salvando de sua honestidade e a ajudando a sobreviver neste jogo insano.

4- HQ

Preacher

Preacher conta a história do pastor Jesse Custer, ao qual foi possuído pela entidade Gênesis, fruto da união carnal de um anjo e uma demônio que lhe dá o poder da palavra, isto é, os pedidos dele, literalmente são uma ordem, ele pode ordenar qualquer coisa para alguém e este alguém se sentirá forçado a cumprir seu pedido.

Redação Indica #5  Jefferson (Jeff)

Em seu momento de possessão, Jesse estava ministrando em sua igreja e ao ter o contato com a entidade, todos os fiéis que lá estavam morreram, agora ele passa a ser procurado pela policia e junto com sua antiga namorada Tulipa e o Vampiro Cassidy eles irão literalmente procurar deus para tirar satisfação com o mesmo, afinal de contas, ele sumiu.

Essa série é espetacular, com um humor negro, heresias, muita violência e uma filosofia niilista, temos aqui uma obra consagrada de Garth Ennis.

Redação Indica #5  Jefferson (Jeff)

Jesse faz o estilo John Wayne de ser (e até tem o ator como amigo imaginário) então ele mesmo prefere na maioria das vezes partir para a briga do que usar seu poder, bem ao estilo velho oeste de “bad ass”, os outros personagens, cada um deles, são únicos, você cria um afeto por cada um deles e acaba lendo a obra o mais rápido possível, pois ela te prende MUITO. São histórias bem contadas, algumas com teor sexual, outras com teor politico, algumas ligadas ao Grunge (por conta do personagem “Cara-de-Cú”, isso mesmo, esse é o nome dele e sim, você vai querer ser o melhor amigo do mesmo) e é claro, sempre com um teor macabro.

 5- Série

A Sete Palmos

A Sete Palmos, ou Six Feet Under, tem como foco a funerária Fisher & Sons, isto é, o negócio da família. Após a morte do pai, os filhos Nate e David acabam tendo que lidar com tudo: Agora eles são os encarregados pela funerária. Nate sempre odiou viver entre os mortos e tentou fugir por anos, mas bem, a morte sempre bate a porta uma hora ou outra.

David é o irmão mais novo e sempre fez de tudo para dar orgulho ao pai, isso acabou o anulando e até mesmo sua homossexualidade. Sim, a série é tão boa que temos até esse assunto aqui, de forma muito bem desenvolvida (aliás, David é religioso, ou seja, ele se sente conflitado o tempo todo).

Cada personagem é característico, temos a irmã caçula, revoltada com tudo e que não sabe lidar com a morte, a mãe manipuladora e meio estressada, daquelas que gosta de tudo no lugar, temos a namorada sarcástica do Nate que é um show a parte, e temos muitos outros personagens espetaculares, lidando com a morte o tempo todo, até mesmo no luto.

Cada episódio mostra uma morte diferente e há toda uma reflexão por trás de cada uma delas, como por exemplo a maneira como os falecidos viveram e morreram, o que podemos aprender com a morte, como cada um lida de um jeito diferente. Temos também o assunto loucura, tratado o tempo todo aqui pois Nate está rodeado por ela. Ah sim, não podemos nos esquecer do humor negro, que é lindo. É uma série perfeita, ponto final.


Bônus: Game

Lunar: Silver Star Story

Saindo um pouco da ideia de recomendar coisas metafóricas e com um teor mais profundo (não que este não seja, mas o foco dele é mais fantasioso e simples), Lunar é um RPG eletrônico de fantasia lindo, com uma trilha sonora e cutscenes perfeitas e personagens carismáticos, se você, assim como eu, gosta de um bom RPG em turnos, esse é obrigatório, sabe aquelas obras que você vê e a única coisa que você pode dizer sobre elas é que é mágico? Então, é mágico. A versão que joguei era a de Ps1, mas há outras versões.

Não quis inserir nesta lista nenhum filme porque o longa que eu iria inserir aqui terá uma resenha só para ele (Waking Life) então bem, aguardem. E se vocês gostaram e quiserem me indicar outras coisas piradas, fiquem mais do a vontade, inclusive se sintam obrigados (mas é claro que não vou obrigar ninguém né), é isso aí.

Veja também: Redação Indica #4 | Juliane (Exuliane)


VEJA TAMBÉM:

COMENTE:

© 2019 Proibido Ler. Todos os direitos reservados.