12 Monkeys – 1ª Temporada | A série que conta a história que queríamos ver no filme de 1995

3 anos atrás ( 11/05/2015 )

Tramas que envolvem viagem no tempo são particularmente difíceis de se desenvolver. Dentre vários motivos, os mais importantes são encontrar uma forma de voltar/avançar no tempo que não soe extremamente ridícula, não deixar pontas soltas no que diz respeito às alterações do continuum espaço-tempo que as viagens causam e conseguir que isso faça sentido. Em 12 Monkeys, série criada por Travis Fickett e Terry Matalas, pode-se dizer que a produção teve êxito ao entregar uma boa história.

A série é baseada no filme “Os Doze Macacos” (1995), dirigido por Terry Gilliam. Eu já assisti outras séries baseadas em filmes anteriormente, mas este caso me surpreendeu muito. Partindo do princípio, o filme de 1995 contou uma boa história, mas teve um final decepcionante. É o tipo de filme que tem um potencial gigante, mas deixa escorrer pelo ralo. Os roteiristas do seriado, aparentemente, perceberam isso e não apenas basearam sua história no filme, como também modificaram o desenrolar dos acontecimentos, transformando uma história com final perdido em uma trama sólida e cheia de reviravoltas.

12 Monkeys | A série que conta a história que queríamos ver no filme de 1995

Caso você ainda não tenha assistido “Os Doze Macacos” (1995), assista e depois volte aqui, porque vou falar um pouco sobre a trama do filme (se você não se importa, bola pra frente). Imagine que um vírus devastou a humanidade, não foi possível encontrar uma cura e a humanidade decide optar por enviar uma pessoa ao passado, para eliminar o vírus antes que a epidemia comece. Essa é a premissa das duas histórias – mas a partir daí uma se torna independente da outra. O filme fez com que o público acreditasse que o vírus foi plantado por uma seita intitulada “O Exército dos 12 Macacos”, mas no final revelou que não havia nenhuma seita e que o tal “exército” se tratava de um grupo de ativistas que organizaram uma visita ao zoológico, e soltaram os animais na cidade.

A série, entretanto, resolveu levar adiante a ideia do “O Exército dos 12 Macacos” como seita/sociedade secreta, criando teorias de conspiração, mistério, crimes e uma luta contra o tempo de tirar o fôlego. Em suma, 12 Monkeys buscou os elementos jogados fora no filme e fez com que acontecessem. O resultado é extremamente satisfatório, inteligente e surpreendente.

12 Monkeys | A série que conta a história que queríamos ver no filme de 1995

Os personagens são baseados nos do filme. Aaron Stanford interpreta James Cole (o personagem de Bruce Willis no filme de 1995), um viajante do tempo que parte do pós-apocalíptico ano de 2043, com uma missão vital: chegar em 2015, encontrar e eliminar os responsáveis ​​por criar um vírus que extermina 7 bilhões pessoas. Mas, embora o pessoal do futuro não saiba ainda, não é tão simples quanto parece. Não há apenas um culpado, há uma seita secreta, constituída por homens e mulheres poderosos e que está sempre um passo à frente de Cole. Existem nomes para se descobrir, lugares para procurar, mistérios para desvendar e pouco tempo para trabalhar. Mas ele não está sozinho.

12 Monkeys | A série que conta a história que queríamos ver no filme de 1995

A personagem aliada de Cole, no filme, se chamava Kathryn Railly (Madeleine Stowe), e a série “dividiu-a” em duas personagens – Katarina Jones (Barbara Sukowa) e Cassandra Railly (Amanda Schull).

*Pausa para explicações necessárias*

Eu assumi que a personagem aliada foi dividida por causa dos nomes das duas aliadas de Cole na série. O filme não dá muitas informações sobre quem enviou o protagonista para o futuro, é vago e não existem vínculos entre esses personagens. Já a série coloca uma aliada no futuro, que é a responsável por enviá-lo ao passado, e outra aliada no passado, que será sua companheira na missão.

12 Monkeys | A série que conta a história que queríamos ver no filme de 1995

Katarina é a mulher que, no futuro, encontra e envia James Cole para salvar a humanidade – uma cientista brilhante, que não sabe lidar muito bem com pessoas, guarda muitos mistérios sobre suas motivações e representa um vínculo do protagonista com o futuro. Cassandra é uma médica do passado, especialista em contenção viral, que deixa uma mensagem gravada falando sobre “O Exército dos 12 Macacos” antes de morrer. A mensagem é encontrada no futuro, e serve como ponto de partida para o personagem principal.

12 Monkeys | A série que conta a história que queríamos ver no filme de 1995

Embora seja complicado de convencer as pessoas sobre toda essa história de futuro apocalíptico, viagem no tempo e missão secreta, Cole encontra em Cassandra uma grande aliada. Apenas juntos eles conseguirão desvendar os mistérios por trás do Exército dos 12 Macacos, e iniciar a caçada aos responsáveis pela destruição do mundo que conhecemos. A conspiração inicia apontando para Leland Frost (Zeljko Ivanek), o CEO afluente de uma empresa de bio engenharia. E logo é mostrada Jennifer Goines (Emily Hampshire), personagem que, no filme, é um homem vivido por Brad Pitt, e nas duas adaptações é uma das chaves para a missão – de diferentes maneiras, é claro.

12 Monkeys | A série que conta a história que queríamos ver no filme de 1995

Enquanto o filme leva Cole e Dra. Railly para um final decepcionante, a série cria uma atmosfera que envolve cada um dos personagens e consegue passar para o público as informações necessárias – mas sem entregar nada “mastigadinho”. A cada episódio, o roteiro estimula a memória e o raciocínio do público, o que colabora para as reviravoltas dos episódios finais serem chocantes. Destaque, também, para o personagem José Ramse (Kirk Acevedo), o melhor amigo de Cole, que possui um papel mais importante no desfecho dos acontecimentos do que o esperado.

12 Monkeys | A série que conta a história que queríamos ver no filme de 1995

12 Monkeys traz novos rostos para uma história conhecida, e reutiliza as premissas do filme para criar o tipo de história que uma trama com viagem no tempo merece: entrelaçada, complicada, contagiante e recheada de reviravoltas inesperadas, que dão fôlego à aventura. A série já teve sua 2ª temporada garantida, e baseando-me no que o final da 1ª deixou para trás, tende a ser melhor ainda do que esta.


Gostou? Tem mais:


© 2017 Proibido Ler | Feito com Wordpress - Desenvolvimento por Dk Ribeiro & Baruch Vitorino