in

Proibido Ler Entrevista | Cameron Stewart, o cara por trás da nova Batgirl e O Clube da Luta 2

Cameron Stewart é um renomado escritor e desenhista de histórias em quadrinhos, ganhador dos prêmios Eisner Award, Shuster Award eProibido Ler Entrevista | Cameron Stewart, o cara por trás da nova Batgirl e O Clube da Luta 2 Eagle Award, que trabalha com as maiores editoras mundiais, Marvel, DC e Dark Horse Comics. Stewart tem grandes títulos em seu currículo, sendo muito conhecido por sempre trabalhar ao lado de grandes nomes da indústria, como em Catwoman, com o escritor Ed Brubaker, diversas contribuições ao lado de Grant Morrison e, recentemente, o que lhe deu maior notoriedade (além da Batgirl, de que vou falar abaixo), sua parceria com Chuck Palahniuk para uma continuação em quadrinhos de O Clube da Luta, com previsão para 2015.

Atualmente, Cameron assumiu como novo escritor da Batgirl, na DC Comics, ao lado do co-escritor Brenden Fletcher e da artista Babs Tarr. Juntos, eles revolucionaram a personagem, transformando completamente seu visual, sua história e seu universo, para melhor. A nova Batgirl foi um choque para todos e, embora a maioria das pessoas tenha se encantado pela nova perspectiva da personagem, as críticas foram pesadas. Cameron Stewart falou exclusivamente com o Proibido Ler sobre a Batgirl e esclareceu totalmente qual é o objetivo dele e da equipe com essa reconstrução de Barbara Gordon. Será que restou alguma dúvida? Leia abaixo, em primeira mão:

OBS: embora isso signifique quebrar a 1ª regra, ele falou um pouquinho sobre O Clube da Luta 2 no final da entrevista.

PROIBIDO LER: Barbara Gordon teve muitas versões através dos anos. O que diferencia esta nova encarnação da Batgirl de suasProibido Ler Entrevista | Cameron Stewart, o cara por trás da nova Batgirl e O Clube da Luta 2 predecessoras?

CAMERON STEWART: Nós sentimos que as versões mais icônicas da Batgirl, as que ressoam mais fortemente sobre a maior quantidade de pessoas, são suas aparições no seriado dos anos 1960 e na animação da década de 1990. Estamos tentando fazer uma versão contemporânea dessas aparições da personagem. Estamos tentando dar a ela uma vida social com problemas relacionáveis e expandir sua inteligência e habilidades com computadores para a tecnologia do século XXI, com ênfase nas mídias sociais. Nós também temos a intenção de mostrar sua memória eidética visualmente, de uma forma que ainda não foi mostrada nos quadrinhos antes.

PL: O novo design da Batgirl é maravilhoso. Qual foi o objetivo quando você e Babs Tarr começaram a redesenhar o uniforme?

CAMERON: Quando decidimos mudar o tom do título para algo mais divertido e “pra cima”, eu queria um uniforme que refletisse isso – o uniforme na versão “armadura high-tech” não me agradava muito e não se encaixava no tipo de história que queríamos contar. Eu também queria fazer algo “estiloso” e contemporâneo, e que desse a sensação de que pudesse ser confeccionado a partir de itens de vestuário reais, algo que uma moça de 21 anos de fato quisesse vestir. Pegamos muitas dicas de tendências de moda urbana e tentamos fazer algo que fosse feminino, mas sem explorar a sexualidade.

PL: Qual a principal diferença entre Brenden Fletcher e os outros autores com os quais você trabalhou?

CAMERON: Eu sou um amigo próximo de Brenden há mais ou menos 15 anos, então, quando tive a oportunidade de trabalhar com ele, eu entrei de cabeça. Nós moramos em cidades diferentes, mas escrevemos a história juntos, através do Skype. Nós falamos sobre a trama por horas, trabalhando cena a cena, e então, quando tudo está pronto, eu faço um storyboard completo para a edição, desenhando as páginas para trabalhar a composição e o ritmo. Isso vai para Babs, para a arte final. Brenden e eu, então, geralmente escrevemos os diálogos finais quando os storyboards estão prontos.

PL: Eu adorei o fato de você estar dando para a Batgirl seu próprio elenco de vilões. Você pode falar alguma coisa sobre este elenco de antagonistas?

CAMERON: Nós queríamos dar a ela um elenco único de vilões que fossem derivados do ambiente e circunstâncias nas quais ela se encontra agora. Na nossa primeira edição, ela luta contra um tipo de vilão que acho que ainda não foi visto antes – um vingativo e misógino traficante de vídeos pornográficos da internet. Em seguida, temos as Jawbreakers – duas gêmeas motociclistas assassinas usando Katanas. À medida que as edições saírem, vocês identificarão um padrão se desenvolvendo e uma misteriosa entidade do passado de Bárbara por trás de tudo isso.

Proibido Ler Entrevista | Cameron Stewart, o cara por trás da nova Batgirl e O Clube da Luta 2

PL: Podemos esperar aparições de “pesos pesados” de outros residentes encapuzados de Gotham City?

CAMERON: No momento, não. Nós realmente queremos que este título se sustente pelas próprias pernas e com seu próprio elenco. Nós queremos contar uma história na qual Batgirl é a personagem principal, não queremos depender de aparições do resto da Bat-Família. Mas no segundo arco, ou então em edições futuras, há chances de termos alguns rosto familiares.

PLProibido Ler Entrevista | Cameron Stewart, o cara por trás da nova Batgirl e O Clube da Luta 2: O novo uniforme não é sexualizado. O feminismo faz parte da nova fase de Batgirl?

CAMERON: É válido definir o que significa “feminismo” – É uma palavra que é comumente mal entendida e dada conotações erradas. Na minha visão, “feminismo” significa tratar as mulheres como seres humanos e dar a elas o mesmo respeito, direitos e privilégios que os homens. Parte disso é criar entretenimento que atenda seus interesses, desejos e fantasias – que é o que estamos tentando fazer em Batgirl. Nossa primeira edição é uma fantasia feminina bem direta – Batgirl confronta um chantagista misógino da internet – e vence! Nós estamos tentando fazer um título que agrade meninas e mulheres e tratando elas como nosso público primário. Obviamente nós amamos que os homens estejam gostando também, mas estamos tentando ao máximo fazer esta revista sob a perspectiva feminina – algo em que a nossa artista Babs Tarr está ajudando imensamente.

PL: Nós vimos Barbara Gordon realmente no limite em “Batman Eternal”. Existem planos de conectar os eventos de Batgirl e o que está acontecendo em “Eternal”?

CAMERON: O cronograma de publicação de “Eternal” está levemente fora de sincronismo com a nossa revista – Nas páginas de “Eternal” você verá os eventos que levaram Barbara a decidir se mudar da escuridão de Gotham para Burnside, numa tentativa de melhorar sua vida.

PL: Qual é a conexão principal entre Batgirl e a nova “Gotham Academy”? Foi dito que estes dois títulos partilham o mesmo universo. Pode explicar?

CAMERON: Ambos se passam em Gotham! Nós sentimos que ambos títulos são “irmãos espirituais” – ambos times criativos são amigos próximos e temos muitos objetivos comuns com os dois títulos, incluindo aumentar o alcance dos leitores de quadrinhos e alcançar mulheres e meninas que sentem que não há material para elas no mercado. Nos títulos em si, estamos tentando fazer uma construção de mundo divertida – Em Batgirl #35, Canário Negro está vestindo um casaco da Academia de Gotham. Talvez Dinah tenha frequentado a escola quando mais nova? Detalhes como bandas, chaveiros, aplicativos de celular – isso tudo vai aparecer nos dois títulos e dar a sensação de que os mesmos são parte do mesmo mundo.

PL: Ela supostamente tem 21 anos e abandona a sombra da “Família Batman” sem tê-lo feito por completo. O que você acha que esse direcionamento diz sobre Batgirl como personagem?

CAMERON: Barbara sempre foi diferente de Batman – ela foi inspirada por sua cruzada por justiça, mas ela não é motivada por tragédias pessoais ou vingança. Ela é somente alguém que quer fazer o bem. Barbara foi levada ao limite em “Eternal” e decidiu que ela não poderia continuar neste caminho de escuridão que iria consumi-la. Ela, basicamente, se tornaria outro Batman. Nós sentimos também que como ela usou uma capa e um capuz desde muito nova, ela sente que talvez tenha perdido a oportunidade de viver uma vida “normal” de jovem, então ela está tentando recuperar esta parte de si mesma e encontrar um equilíbrio.

Proibido Ler Entrevista | Cameron Stewart, o cara por trás da nova Batgirl e O Clube da Luta 2

PL: Quem você lista como influências criativas?

CAMERON: Estranhamente, apesar de eu escrever e desenhar quadrinhos, sou fortemente influenciado por filmes e televisão. Eu disse antes que realmente quero que Batgirl tenha a sensação de um filme de Edgar Wright – por causa do humor, ação, fantasia e coração.

Nos quadrinhos, sou influenciado por muitos artistas de mangá pelo seu jeito de contar histórias – particularmente Naoki Urusawa. Eu também amo Frank Quitely.

PL: Você lê algo dos quadrinhos que estão sendo publicados atualmente? Se sim, quais?

CAMERON: Meus favoritos atualmente são Gavião Arqueiro, Sex Criminals, Saga, Deadly Class e Pretty Deadly.

PL: O que você diria para mulheres e garotas que sentem vontade de trabalhar com quadrinhos?

CAMERON: Eu diria a elas para fazê-lo! Pode ser uma carreira difícil de começar, mas existem tantas mulheres que são forças criativas incríveis, que encontraram muita popularidade na internet – incluindo nossa própria Babs. Façam quadrinhos, publiquem na internet, construam um público. Nós precisamos de muito mais mulheres nessa indústria e nessa forma de arte, e nunca houve um momento melhor para elas serem apreciadas.

Cameron Stewart, o cara por trás da nova Batgirl e Clube da Luta 2

PL: Você conhece artistas Brasileiros? Quem?

CAMERON: Sim. Meus amigos Gabriel Ba e Fabio Moon!

PL: Você pode falar alguma coisa sobre o “Clube da Luta”? Por favooooooooooor…?

CAMERON: Eu não devo falar sobre isso… (risos)

“Clube da Luta 2” se passa 10 anos após o livro original. O narrador (agora chamado “Sebastian”) e Marla Singer tem um casamento mediano e chato, e um filho. Marla sente falta da paixão, do perigo e da excitação que Tyler trouxe a seu relacionamento, então sem o conhecimento de Sebastian, ela começa a mexer com seus medicamentos para tentar trazer Tyler de volta de dentro de seu subconsciente. E, é claro, quando a “besta” é libertada de sua jaula… Temos problemas (risos).

E essa foi a entrevista do PL com Cameron Stewart! Mais uma conquista e motivo de orgulho para nossa equipe! Aí vão algumas sugestões de matérias aqui do site, levando em conta todos os assuntos que foram tratados aqui:

DC libera preview de 10 páginas da nova HQ da Batgirl
Resenha de Batgirl #35 (a estreia da Batgirl de Cameron Stewart)
Clube da Luta 2 | 16 anos depois, você pode falar (e ler) sobre

Um pouquinho de opinião? A nova Batgirl é um presente, assim como a Capitã Marvel, a Thor e outras personagens que estão deixando de usar uniformes ridiculamente sexualizados, ter histórias inconsistentes ou com o foco no público masculino, pra ter uniformes que qualquer criança pode querer vestir (olha só pra essa Batgirl, qual garota não quer ser como ela?) e ter histórias e lições direcionadas ao público feminino, que há tanto tempo consome quadrinhos e não se sente satisfeito com o que tem. Cada vez que vejo uma mudança dessas acontecendo, sinto vontade de abraçar a revista, e acredito que muitas mulheres também se sintam assim. Parabéns para a equipe que criou a nova Barbara Gordon e tomara que ela chegue logo ao Brasil!

Veja mais entrevistas exclusivas: Proibido Ler Entrevista

E aí, curtiu?

Escrito por Louise

Amo, respiro e me alimento de quadrinhos, acho completamente normal se envolver emocionalmente com personagens de séries e filmes, e já vou avisando: NÃO MEXA COM MEUS HERÓIS!

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading…

Loading…

0

Asa Noturna – Websérie | Terceiro episódio – “Descent”

Aplicativo te ensina a falar lingua dos Dothraki de Game Of Thrones