HQ do Dia

X-O Manowar Vol. 2: Entra em cena Ninjak

O segundo volume encadernado de X-O Manowar já foi publicado pelo HQ Maniacs aqui no Brasil e compila as histórias das edições 5 a 8 da revista original no arco chamado Entra Em Cena Ninjak. Nesta trama com 112 páginas testemunhamos o primeiro contato explosivo entre o assassino de aluguel da Valiant e o guerreiro Visigodo, Aric de Dácia. Enquanto o porradaria come solta entre os dois guerreiros, descobrimos mais sobre os planos, a influência e abrangência dos alienígenas da Vinha que se estende até o Serviço Secreto Britânico e várias entidades governamentais pelo planeta. O arco prepara este elenco para uma grande invasão alienígena vindoura e serve para estabelecer o papel de Aric no mundo moderno e neste Universo Valiant.
HQ do Dia  X-O Manowar Vol. 2 Entra em cena Ninjak
Robert Venditti continua se valendo do mesmo modelo de roteiro simples, direto e sem grandes toques de originalidade que ganharam audiência cativa nas primeiras 4 edições de X-O Manowar. Para este tipo de história “mais é menos” e no curso de todo este encadernado temos a mesma gostosa sensação de nostalgia do primeiro arco. É como se estivéssemos lendo algo escrito em 1996 com uma leve repaginação. O roteiro é linear, bruto e de fácil compreensão. As motivações de Aric e Ninjak são transparentes, o que abre espaço para as numerosas e ótimas cenas de ação nas quais o ninja usa toda a sua astúcia contra a força bruta da armadura Manowar. Venditti faz ótimo uso de Alexander Dorian, um agente renegado da Vinha que se torna aliado do protagonista, para esmiuçar alguns pormenores dos antagonistas sem enrolar muito a leitura com explanação. A Vinha é um inimigo enorme, cruel e impiedoso. Isso tudo torna Entra Em Cena Ninjak um arco sem frescuras e uma leitura rápida, descomplicada e muito leve.
A arte de Lee Garbett não é inovadora ou surpreendente. Temos na parte visual um direcionamento para o traço clássico de quadrinhos de super heróis. Garbett no entanto não decepciona nas cenas de ação (que são o destaque do arco). O ilustrador caracteriza muito bem tanto Aric quanto Ninjak e nos dá condições de sentir a vibração cinética do roteiro de Venditti sem interferências visuais desnecessárias. Um design de páginas sóbrio com destaque para as cenas de combate entre os dois heróis.
Se você gostou do primeiro arco introdutório de X-O Manowar, chamado Pela Espada, é muito provável que tenha a mesma impressão sobre este segundo volume encadernado do personagem. O roteiro segue o mesmo ritmo veloz, direto e bruto. O protagonista, apesar de ser o velho clichê “homem fora de seu tempo” não é envolvido em dramas existenciais e está ali para mover a história. A introdução de um adversário com uma abordagem mais estratégica como Ninjak é cuidadosa e apesar da simplicidade do roteiro os combates são muito bem planejados. Rober Venditti expande levemente a mitologia da armadura Manowar, da Vinha e do próprio Aric em doses homeopáticas e sem desfocar na trama principal em nenhum momento. A arte de Lee Garbett é sóbria, concisa e nostálgica na medida certa. Entra Em Cena Ninjak é mais uma prova de que nem sempre é preciso inovar para se contar uma boa história em quadrinhos. A trama não tem nada que não tenha sido feito antes na história de arte sequencial e mesmo assim é uma leitura totalmente satisfatória e que com certeza agradará fãs de HQs clássicas.

Veja também: HQ do Dia | X-O Manowar Vol.1: Pela Espada


VEJA TAMBÉM:

COMENTE:

© 2019 Proibido Ler. Todos os direitos reservados.