HQ do Dia

The Amazing Spider-Man 1-5

No final do ano passado testemunhamos o início de um novo e completamente diferente Universo Marvel (se você não sabe o que está se passando pelas publicações da Casa das ideias leia este artigo e este). O período chamado pós-Guerras Secretas deu origem a novos relançamentos em quadrinhos com propostas teoricamente diferentes para os principais ícones da editora.

Apesar da tal reformulação, o roteirista Dan Slott e o artista Giuseppe Camuncoli continuaram confortavelmente no assento do motorista na publicação protagonizada pelo super herói mais popular da editora: o Homem Aranha. A resenha a seguir abrange o primeiro arco da novíssima Amazing Spider-Man contado nas edições 1 a 5 da revista que começou a ser publicada em Outubro do ano passado.

 

HQ do Dia The Amazing Spider-Man 1-5 1
Aqui, apesar de seguir o fluxo de evolução de personagem estabelecido no final do volume anterior de ASM, Dan Slott nos apresenta de fato um Peter Parker um pouco diferente do que estamos acostumados a ver. O alter ego do amigão da vizinhança é agora um bem sucedido empresário no ramo da tecnologia sustentável e sua empresa, a Parker Industries, é uma nova força comercial dentro desta nova Marvel. Com isso logicamente não é possível para o protagonista ficar saltando de telhado em telhado em Nova York e combatendo o crime como em seus tempos áureos. Portanto, vemos Peter Parker fazendo algo inesperado em sua carreira como herói: Delegando tarefas. Ok. Isso não é nenhuma novidade em outros gibis, o molde do “herói empresário workaholic” já foi utilizado a exaustão neste gênero, mas de fato não neste personagem.
Aqui vemos um Peter Parker bem mais maduro e objetivo do que em encanações anteriores. O objetivo das Indústrias Parker é totalmente altruísta, mas a ingenuidade de seu CEO ainda está lá e por vezes o faz cometer aqueles erros que estamos acostumados quando se trata de Peter. Ponto positivo para a abordagem de Slott que mostra um crescimento deste personagem, mas sem descaracterizá-lo de forma abrupta.

Neste arco vemos como o Homem-Aranha pode conviver com um Parker “patrão, não funcionário” e os males e benefícios desta nova fase na vida do protagonista são pontuados levemente mas de maneira eficaz pelo roteirista. Enquanto insere um festival de “gadgets” (que vão desde uma blindagem contra projéteis no uniforme e cartuchos de teia dos mais variados até o novo Aranhamóvel) nesta nova encarnação do Cabeça de Teia e antagonistas nada memoráveis (o tal do Zodíaco que é reconhecidamente pelos leitores uma das organizações criminosas mais “pé de chinelo” da editora), Slott apresenta uma trama de ação e espionagem industrial super heroica bem manjada, mas no geral divertida.

 

HQ do Dia The Amazing Spider-Man 1-5 capa
Há uma forte interação do personagem com a nova S.H.I.E.L.D. (tendo em vista que as Indústrias Parker são o novo fornecedor de tecnologia da agência) portanto em quase que todas edições temos a presença marcante da Hárpia, Nick Fury Jr. e todo o plantel de agentes da Superintendência como personagens de apoio. Além disso, vale ressaltar as interações muito divertidas entre Peter Parker e Hobie Brown (o ex-vilão Gatuno) que agora trabalha “cobrindo” a barra do Aranha quando ele não tem condições de atuar. Estas cenas são de longe as interações mais legais do Aranha com outro membro do elenco atualmente. O escopo do gibi do Teioso também está bastante diferente do que estamos acostumados.
A atuação do herói agora é global e temos aqui uma trama internacional que nos leva da China para a África, dá um pulinho nos Estados Unidos e termina no Reino Unido. Este é outro ponto positivo a destacar, pois estas mudanças frequentes de ambientes tornam a vida do protagonista bem mais complicada e injetam o certo fator inesperado em algumas cenas de ação.
A arte de Giuseppe Camuncoli não mudou muito desde que o ilustrador começou a trabalhar nos roteiros de Dan Slott lá na fase “Superior”. Portanto temos aqui no geral uma apresentação bem consistente do Aranha e todo o elenco. Vale destacar sempre o capricho do cara nas cenas de ação e neste novo volume o desafio é um pouco maior, tendo em vista o aumento considerável do elenco e as mudanças na forma de atuação do herói, além, é claro das constantes mudanças de ambientes de edição para edição na revista.
O início desta nova Amazing Spider-Man é fundamentalmente uma continuação do que Dan Slott cimentou no último volume do título do Cabeça de Teia. Portanto, para antigos leitores é somente um lapso temporal de oito meses na vida de Peter Parker e este elenco, com o acréscimo da S.H.IE.L.D. e o novo escopo das Indústrias Parker. Para novos leitores também não existe dificuldade em entender a situação do herói. Dan Slott faz um trabalho bem decente contextualizando tudo logo nas primeiras duas edições, no entanto fracassa em trazer um argumento um pouco mais cativante quando se trata de ameaças ao Homem-Aranha. Com uma arte que não escorrega em momento algum e diálogos com o padrão de qualidade “Slott” (seja lá o que isso signifique pra você), Amazing Spider-Man não é o melhor novo título da Nova Marvel e muito menos da linha do Aranha, mas também não é um desastre e pode sim ser apreciado pelos fãs do personagem.

Veja também: HQ do Dia | Spider Man #1


VEJA TAMBÉM:

COMENTE:

© 2019 Proibido Ler. Todos os direitos reservados.