HQ do Dia | Jean Grey #1

2 semanas atrás ( 02/08/2017 )

Já faz muito tempo, mas finalmente Jean Grey tem sua própria série escrita por Dennis Hopeless. Neste quadrinho, Jean é uma adolescente, uma garota idiota, bonita, emocional e auto-gostosa. E é isso que a faz maravilhosa. Muitas vezes, vemos super-heroínas se despirem de sua identidade para se adequarem ao molde do que um super-herói deveria ser. Talvez elas usem armaduras completamente ineficazes. Ou talvez elas sejam , essencialmente, um personagem masculino com seios. Talvez elas tentem ser frias, distantes e masculinas para a equipe já masculina.

Jean Grey é qualquer coisa menos esses estereótipos. Em JEAN GREY #1, ela é nossa narradora. Vemos suas mais profundas esperanças e medos através de seus olhos. Ela abre um mundo de pensamentos íntimos que vêm de ser uma adolescente. Eu sei – eu fui uma. Embora nem todos estejam atormentados por pesadelos de se tornar um maníaco genocida, sua perspectiva nos traz muito. Todos lutam com o que as pessoas esperam que se tornem, ou quem tem medo de ser. Mas ao ver isso através dos olhos de Jean, uma garota tão real que poderia ser um dos meus amigos, me faz sentir empatia por ela.

Gostei especialmente que o escritor, Dennis Hopeless, reconhecesse que Jean precisa de algum tempo para si mesma. Ela é a única garota em uma equipe de homens. Ela também é líder. Então, em JEAN GREY #1, começamos por recuperar a nossa heroína enquanto está no Japão por algum tempo sozinha.

JEAN GREY #1 centra-se superficialmente em uma batalha que Jean possui com um grupo de vilões de classe B. A verdadeira história é Jean sendo ela mesma. Esta é a primeira questão focada em Jean, ela deslocada no tempo. A mutante diz que tem “trauma emocional de deslocamento de tempo”. No entanto, estar em um momento diferente é a única coisa que ela consegue se adaptar muito bem. Então, ela começa a relembrar como era a antiga Jean. Aquela que já conhecemos, aquela que teve que sacrificar tudo. E agora ela pode ter uma segunda chance.

E nesta segunda chance é maravilhoso vê-la se divertindo, independentemente do que está passando. Em um ponto, Jean tenta violar a barreira do idioma e se comunicar com uma mulher japonesa. Jean está tentando fazê-la sair do prédio para sua própria segurança. Então, ela projeta arco-íris e unicórnios na cabeça da mulher para mostrar que ela não é do mal mas isso não funciona bem. E esse momento é hilário.

Nossa estrela também é desenhada lindamente, com trabalhos artísticos cativantes de Victor Ibáñez e Jay David Ramos. Jean sempre foi linda. Aqui, ela é desenhada como tal sem sexualização desnecessária. Este é um retrato tão refrescante de uma mulher em crescimento de muitas maneiras. O cabelo vermelho flamejante de Jean se destaca em todos os painéis. Além disso, suas expressões faciais parecem tão reais e comunicativas.

As cores e as linhas são fantásticas. Os cenários do Japão são deslumbrantes. As representações da Jean original são verdadeiramente radiante, com linhas fluidas e cores desenhando um personagem icônico. Tudo é dinâmico do início ao fim no verdadeiro estilo de quadrinhos. Há também uma revelação dramática no final, que eu não vou mencionar devido a spoilers, e que esses artistas tornam tão lindamente. Eu adoraria ter essa página específica como uma impressão de arte. Esses artistas adicionam uma camada notável ao que já é um grande trabalho, consolidando a excelência do quadrinho.

JEAN GREY #1 termina em um plot bem louco, que eu acredito que seja como todos os primeiros episódios devem terminar. No entanto, definitivamente será divisivo. Alguns podem vê-lo como narrativa fraca dependendo do drama anterior relacionado com Jean. Mas eu pensei que era uma maneira natural de começar e uma boa maneira de garantir que os leitores desejassem continuar a ler. Jean Grey merecia melhor, e agora está aí, obtendo.


© 2017 Proibido Ler | Feito com Wordpress - Desenvolvimento por Dk Ribeiro & Baruch Vitorino