The Last Kingdom

Review do episódio 1×01 – “Pilot”

The Last Kingdom, mini-série de oito partes baseada nas Crônicas Saxônicas de Bernard Cornwell, mais precisamente no primeiro livro, O Último Reino, chegou pela BBC no dia. E posso dizer que chegou de forma épica e marcante.The Last Kingdom | Review do episódio 1×01 – “Pilot”

Para nos situar, vamos começar falando sobre o autor e o material original. Cornwell é um aficionado por história inglesa e a usa em seus livros de ficção. No caso das Crônicas Saxônicas, ele usa ficção e realidade para contar sobre Alfredo, O Grande (849-899) rei de Wessen, o último reino ainda não tomado pelos dinamarqueses Vikings. Ele conseguiu lutar contra a ameaça Viking e unificou a Inglaterra quando tudo estava perdido.

Tudo é contado por uma visão de fora, isto é, pelos olhos de Uhtred, personagem fictício baseado no senhor de Bebbanburg. Na obra, Uhtred se tornou escravo dos dinamarqueses quando criança e por isso toda a cultura Viking é também contada por ele, para então mais tarde o mesmo se tornar um aliado de Alfredo. Uhtred é o elo que liga os dois lados da moeda e por ter visto tanto, consegue dar à obra um conteúdo muitíssimo rico de estratégias, choques culturais, religiosos e fatos históricos. Tudo de forma bem detalhista.

Focando no piloto em si, a história começa com Osbert (Tom Taylor) – o protagonista que mais tarde se torna Uhtred –  uma criança inglesa, avistando navios dinamarqueses na costa. Ele está junto com seu pai, Ealdorman (Senhor de Bebbanburg), Uhtred (Matthew Macfadyen) e outros homens, que se assustam, pois sabem do que os Vikings são capazes.

The Last Kingdom | Review do episódio 1×01 – “Pilot”

Somos apresentados aos dinamarqueses, em foco temos Ragnar, o intrépido (Tobias Santelmann) – você pode conhecer mais sobre a lenda deste personagem aqui – Ravn (Rutger Hauer), seu pai cego e sábio (que ironicamente se torna os olhos de Uhtred, assim como o mesmo se torna seus olhos); Ubba (Rune Temte), líder selvagem dos Vikings junto com seu irmão Ivar.

The Last Kingdom | Review do episódio 1×01 – “Pilot”

Do lado de Bebbanburg, temos Uhtred um militar cuja mente é mais estratégica do que selvagem, e a personalidade é bastante ríspida, principalmente com Osbert.  Beocca (Ian Hart), padre de Bebbanburg que parece ser a figura mais paterna que Osbert possui e AElfric (Joseph Millson), o irmão do pai de Osbert. O nome “Uhtred” é passado de pai para primogênito como um tipo de herança que garante o posto de Ealdorman.

The Last Kingdom | Review do episódio 1×01 – “Pilot”

Uhtred manda seu primogênito espiar os dinamarqueses e estes voltam com a sua cabeça como presente. Ele, no entanto, não faz nada. Em vez disso, Osbert passa a ser o primogênito, sendo novamente batizado, desta vez como Uhtred.

Os dois povos batalham e Bebbanburg é derrotada com uma estratégia que deixa os soldados sem escapatória. O protagonista assiste a morte do pai em batalha e se mostra valente ao tentar lutar com Ragnar. Ele  luta como um dinamarquês feroz, sem medo, um selvagem – ao contrário do que se esperaria. É claro que como uma criança inexperiente, ele só pode latir, mas Ragnar simpatiza com o mesmo e lhe poupa a vida, o tornando escravo. AElfric usurpa seu trono.

The Last Kingdom | Review do episódio 1×01 – “Pilot”

Podemos ver aqui toda a realidade sangrenta pelos olhos de uma criança, que vai ganhando a simpatia de Ragnar (principalmente após um evento que terá peso por toda a série e principalmente ao fim do piloto) e passa a ser da família. Uhtred cresce e se torna um Viking de coração, sendo realmente feliz  com tudo o que lhe foi oferecido. Ele sempre foi um guerreiro em seu coração.

Entretanto, em apenas uma noite toda a sua família é destruída e novamente tudo lhe é tomado. Uhtred e sua namorada Brida (Emily Cox) – que aliás, no segundo episódio se mostra uma personagem incrível – perdem tudo. Agora, sem ter para onde ir, ele decide tomar de volta o que é seu por direito: Bebbanburg.

The Last Kingdom | Review do episódio 1×01 – “Pilot”

Baseando-se de forma fiel e ao mesmo tempo tomando as liberdades necessárias para uma adaptação (como por exemplo, envelhecer o protagonista, pois certas cenas seriam complicadas de se fazer com uma criança, e cortar alguns personagens para manter o foco), o piloto mostra fatos realmente importantes alterando a linha temporal para assim aproveitar o que de melhor se poderia aproveitar em um piloto. Para mostrar que não está de brincadeira, há muito a ser contado e principalmente que sim, alterações serão feitas, não só para que certas coisas possam ser consumidas, mas para que a série mostre apenas o seu melhor.

The Last Kingdom | Review do episódio 1×01 – “Pilot”

The Last Kingdom é provavelmente uma das melhores séries estreantes desta temporada, que sem usar de apelos o tempo todo consegue cumprir o que promete. Ao contrário da maioria dos pilotos, ela não tenta encaixar tudo o que for possível para ganhar a atenção do espectador – não estou dizendo que não há momentos marcantes no primeiro episódio, até porque como eu mesmo disse, trabalharam na linha temporal para entregar o melhor piloto possível – mas faz isso de forma natural, sem forçar a barra. E, afinal de contas, eles tem material para não precisar apelar.

The Last Kingdom | Review do episódio 1×01 – “Pilot”

The Last Kingdom é isso: naturalidade na carnificina. E a naturalidade de como tudo é tratado deixa as coisas mais plausíveis, tanto que você consegue entender toda a essência e tudo o que a série quer passar sem ter que ficar com os olhos grudados na tela. É exatamente isso que faz com que eles grudem sem esforço. Após o piloto, você vai sentir uma necessidade natural de acompanhar o próximo episódio.

Veja também: The Bastard Executioner | Review dos episódios 1×01/02 – “Pilot

Termino a resenha dizendo: assistam! Vocês não vão se arrepender. De todas as séries estreantes, eu aposto nessa de olhos fechados.

Obs: No segundo episódio confirmei a suspeita sobre a linha temporal, fatos que aconteceram anteriormente no primeiro livro foram encaixados e isso mostra que tudo pode acontecer, as coisas não serão perdidas, mas sim mostradas em outro momento. Para quem consome ou consumiu os livros, pode alimentar suas esperanças.


Gostou? Tem mais:


VEJA TAMBÉM:

COMENTE:

© 2019 Proibido Ler. Todos os direitos reservados.