Connect with us

Inscreva-se

Resenhas

Neuromancer | O princípio e o alvorecer do cyberpunk

Review SEM SPOILERS do clássico sci-fi cyberpunk Neuromancer, na edição da editora Aleph. Confira!

Publicado em 1984 pelo canadense William F. Gibson, Neuromancer é, além de muitas outras coisas, o primeiro volume da celebradíssima Trilogia de Sprawl. O livro é a incorporação e construção do que Gibson havia experimentado nos contos “Johnny Mnemonic” (1981) e “Burning Chrome” (1982), ambos publicados pela revista Omni na época.

Neuromancer não só é o nascimento de fato do cyberpunk, mas também a pedra fundamental em grande parte das produções artísticas e culturais que viriam a partir dele e se relacionassem ao tema. Quaisquer assuntos relacionados à contracultura política, a desconstrução social e, principalmente, o mundo cibernético, desde animes (Ghost in the Shell), filmes (Matrix, Quero Ser John Malkovich, etc), e até mesmo jogos de RPG (Shadowrun).

Como toda boa obra de sci-fi, o livro de Gibson desconstrói padrões sociais e relaciona temas especulativos e de margem científica com problemáticas e desdobramentos humanos (na maioria das vezes de forma atemporal). Neuromancer é uma grande aventura de ritmo intenso, até mesmo nos momentos mais tranquilos, e não se limita às estruturas simples. A ação acontece sempre em diversas esferas e sempre ao mesmo tempo – por mais que não tenhamos visão universal da situação.

Neuromancer  O princípio e o alvorecer do cyberpunk (7)

A história não tem construção lenta e gradativa, nem tem um sentido didático de parar e explicar cada detalhe. Assim como em seu mundo, o livro nos joga dentro do fluxo de dados de movimentação acelerada, e cada uma das informações é intuitiva. Todos os dados estão diante de nós a todo momento – e quando há algo mais complicado (vocabulário muito específico, por exemplo) temos um glossário como anexo de apoio.

Neuromancer  O princípio e o alvorecer do cyberpunk (5)

Somos apresentados a Henry Dorsett Case, ou simplesmente Case, um ex-cowboy (hackers que conseguem acessar a Matrix a partir do próprio cérebro) “aposentado” após tentar roubar dos próprios patrões, que lhe injetaram uma neurotoxina que lhe impedia de acessar a rede, sobrevive a partir de trabalhos escusos como criminoso barato em Chiba City, no Japão em um futuro distópico. Case divide (leia-se como: torra tudo) seus gastos entre drogas e a tentativa de resgatar a antiga forma de seu cérebro através das clínicas do mercado negro.

O ex-hacker é contatado por Molly, uma garota com implantes metálicos semelhantes a garras retráteis debaixo das unhas e lentes de realidade aumentada, e através dela conhece Artmitage, um misterioso homem que lhe paga a cirurgia de reparação em troca de um serviço de roubo dentro da Matrix.

Neuromancer  O princípio e o alvorecer do cyberpunk (10)

Arte por PHATandy (http://phatandy.deviantart.com)

A partir desse ponto, Molly e Case se aproximam e tentam buscar informações a respeito do contratante, a respeito de quem os dois não sabem de nada. Ambos são contratados nessa missão e conforme avançam na história, são apresentados a novos membros da equipe, que supostamente lhes auxiliarão em seu objetivo.

Os personagens são extremamente bem construídos, e suas características e movimentações, às vezes não descritas objetivamente, nos são apresentadas a partir da maneira com que interagem com o mundo (seja a Matrix ou o mundo real), uns com os outros e da forma que realizam suas ações. Ninguém dentro do mundo de Gibson é um herói. Todos têm objetivos próprios e cada um segue sua própria filosofia baseada na sobrevivência – inclusive as inteligências artificiais.

Neuromancer  O princípio e o alvorecer do cyberpunk (11)

Ele é um livro rápido e que demanda a quem o leia atenção constante e dedicação. O fluxo de informações e a riqueza dos detalhes vão confundir caso você pare e decida retomá-lo alguns dias depois. E essa, sem dúvidas, foi uma decisão importante no funcionamento da história e na maneira como ela foi contada, afinal, o mundo de Neuromancer é rápido.

A edição que tenho em mãos é a do box da Trilogia Sprawl, da editora Aleph, relançada recentemente a partir de um excelente trabalho de re-tradução e reedição. A editora foi a primeira a publicar Neuromancer no Brasil, em 1991, e nos traz no aniversário da obra o resultado de seu empenho em levar a ficção científica para o público brasileiro (dentre outros gêneros e subgêneros).

Neuromancer  O princípio e o alvorecer do cyberpunk (6)

A tradução, refeita e cuidadosamente analisada e revisada, é sem dúvidas um dos pontos altos do livro. Quando da necessidade de se manter algum termo na língua original, assim foi feito, e quando a tradução e adaptação (realizadas com maestria, devo dizer) foram feitas, as mesmas seguem o significado, clima e linha idênticas as da obra em inglês. Não há, por exemplo, traduções ou manutenções de nomes que soariam como ridículos. Decisões foram muitíssimo bem tomadas nesse quesito.

O glossário ao final, extremamente necessário, ajuda bastante em palavras e termos muito específicos que, conforme falei, nos são apresentados sem maiores explicações a fim de deliberadamente passar a sensação de grande fluxo de informação. Esse anexo ajuda principalmente leitores ainda não habituados com o universo cyberpunk e/ou com a obra em questão – ainda tendo em vista referências culturais específicas, como a Djellaba ser uma túnica comum dos países que seguem majoritariamente a religião islâmica. Uma adição interessante, talvez, seria uma discreta nota de rodapé na primeira das menções, como no modelo de alguns livros clássicos, o que se encaixaria no “modelo” do livro como um ar de “realidade aumentada” (ou informações obtidas a partir da Matrix – uma espécie de metalinguagem “externa”, quem sabe).

A diagramação e a escolha da tipografia funcionam muito bem. Um dos graves problemas da edição do box, na capa de “papel”, assim por dizer, é exatamente a arte da capa que desvaloriza seu conteúdo.

Neuromancer  O princípio e o alvorecer do cyberpunk (1)

A arte em Neuromancer, por exemplo, nos apresenta Molly com suas lentes opacas, porém, o estilo dos traços e cores não só não funciona bem, como não harmoniza com a temática – o que temos em contraponto com a exuberante arte da versão especial que não necessariamente teria de ser trazida à versão do box, claro, mas poderia inspirar algo algo mais profundo e adulto (tendo em vista uma obra que traz temas como vício e uso deliberado de drogas, violência, etc).

Neuromancer  O princípio e o alvorecer do cyberpunk (9)

Edição especial

Neuromancer, traduzida de forma maestral por Fábio Fernandes, republicada 30 anos depois de seu lançamento, nos traz uma espécie de noir extremamente decadente numa distopia futurística e com conceitos interessantíssimos.

Vencedora da chamada tríplice coroa da premiação das obras de sci-fi, a Hugo, Nebula e Philip K. Dick, a obra nos mergulha no nascimento (e ao mesmo tempo alvorecer) de um subgênero incrível.


Gostou? Tem mais:

Assine nossa newsletter e receba os conteúdos mais quentes da cultura pop.

Escrito por

26 anos, estudando de relações internacionais, cinéfilo de boteco, figurante de cutscene e maluco por literatura - sofrendo por um TCC e sobrevivendo à crise política. 93!

Comentários
Advertisement
Assine nossa newsletter e receba os conteúdos mais quentes da cultura pop.

    Parceiros:

  • xvideos
  • Videos Porno
  • Xvídeos
  • filmes online
  • Ah Negão
  • xnxx
  • Acompanhantes BH
  • Acompanhantes Belo Horizonte
  • Videos Porno
  • X videos
  • Xvideos Porno
  • Porno Nacional
  • Pornô
  • acompanhantes sp
  • x videos
  • Mr Pornô
  • Xvideo
  • acompanhantes em sp
  • Acompanhantes Campinas
  • xvideos brasil
  • Relatos e Contos Eróticos
  • Filmes Pornô
  • Xvideos Brasileiro
  • ACOMPANHANTES SAO PAULO
  • acompanhantes são paulo
  • Acompanhantes ES

Proibido Ler - Since 2009 - Copyright © 2018 Jawn Theme.

Connect
Assine nossa newsletter e receba os conteúdos mais quentes da cultura pop.