in

Thor: Amor e Trovão (2022) | Visual não sustenta roteiro e narrativa

Apesar da atmosfera espacial oitentista, longa não sustenta vínculo por falta de espaço e respiro narrativo

Como uma das principais estréias de julho, “Thor: Amor e Trovão” enfim chegou como a nova e deslumbrante aventura do deus nórdico de Asgard. E com certas expectativas a cumprir, devemos dizer.

Num breve resumo da premissa, aqui vemos Thor Odinsson reunir forças com antigos aliados para tentar impedir que Gorr, o Carniceiro dos Deuses, obtenha aquilo que mais deseja: o fim dos seres divinos. Parece uma história legal, com várias referências aos quadrinhos e interessante de ver, né? Mas, infelizmente, não é!

Thor: Amor e Trovão (2022) | Visual não sustenta roteiro e narrativa

Sem zelo, “Thor: Amor e Trovão” não demora para assumir o manto de uma aventura mal concebida. De forma geral, seu roteiro é fraco e sem momentos significativos na história. “Essa parte não agrega nada aqui”, é um sentimento constante frente as piadinhas medíocres, os cortes duvidosos, quando não mal feitos, diálogos genéricos e afins que notamos.

Não o bastante, as poucas partes em que de fato se poderia ter algo envolvente e significativo é açoitado pelo desempenho comumente raso e apressado da Marvel Studios. Quem sofre com isso, além da audiência, é o próprio elenco – que apesar das tentativas de boas interpretações, não sustenta qualquer vínculo por falta de convicção do roteiro em que se baseia.

Thor: Amor e Trovão (2022) | Visual não sustenta roteiro e narrativa

Se em “Thor: Ragnarok” (2017) temos Hela (Cate Blanchett) e Valquíria (Tessa Thompson) como super-reforço atrativo, em “Thor: Amor e Trovão” temos Jane Foster (Natalie Portmann)… e a Valquíria, de novo. De começo, é bacana acompanhar Jane Foster em sua nova fase como a Poderosa Thor. Mas não é algo que dura muito, visto que a aventura sem tempero que direciona o longa, não consegue sequer abranger minimamente o impacto e influência da personagem.

O humor tosco característico desse universo cinematográfico não abre espaço para temas mórbidos, como a luta contra o câncer enfrentado por Jane Foster, aqui jogado tão aquém a tela quanto o anterior fim de relacionamento entre ela e Thor. E a estética efêmera cosmo-oitentista assumida por Taika Waititi no filme antecessor também não gera muita abertura para desenvolver tal condição.

Thor: Amor e Trovão (2022) | Visual não sustenta roteiro e narrativa

Sem muitas surpresas, “Thor: Amor e Trovão” perde todo e qualquer charme que tenha conseguido com a estética visual – uma das poucas coisas que salvam-se aqui, por sinal. Mas é fato que, no fim das contas, não tem estética que sustente uma narrativa rasa e apressada.

Mais do que isso, é triste vermos personagens tão interessantes e legais frente a um cenário em que não conseguem desenvolver-se ou a aventura em torno por falta de espaço e zona de respiro narrativo. Estes dois últimos então ocupados pela desconfortável e incessante necessidade de se parecer sempre “um filme super-divertido”.

“Thor: Amor e Trovão” está em exibição nos cinemas brasileiros. Mas se você não paga meia ou tem descontos no ingresso, talvez seja mais interessante aguardar o longa chegar ao Disney+.

E aí, curtiu?

Escrito por Isaias Setúbal

All I hear is doom and gloom. And all is darkness in my room. Through the night your face I see. Baby, come on. Baby, won't you dance with me?

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Loading…

Loading…

0

‘House of Marley’ chega ao Brasil com sua linha de áudio eco consciente

Corrente do Mal (2014) | Um suspense que tem tudo pra ser um clássico no futuro