in ,

Cyberpunk: Mercenários | A expansão perfeita das ruas de Night City

A expansão que fará todos sentirem vontade de conhecer o game.

O game de Cyberpunk sofreu grandes problemas em seu lançamento no ano de 2020. Não apenas a pandemia influenciou esses erros, mas também as poucas possibilidades que a galera do estúdio estava trabalhando com um prazo menor do que deveria, já que muito dinheiro envolvido fez com que o game fosse lançado sem ajustes e testes finais.

Porém, após muitos ajustes e anúncios, algo que pode ter salvado o game novamente foi o lançamento do anime, “Cyberpunk: Mercenários” trazendo uma expansão do mundo do game e contando uma nova história dentro de Night City. Com muitas referências e nada de spoilers sobre o game, o anime apresenta algo delicioso de se assistir, lembrando animações gloriosas como é o caso de “Akira” e “Ghost in the Shell”.

No anime acompanhamos o jovem, David Martinez que mora na região de Santo Domingo com sua mãe, sendo um estudante nota 10 na escola da Arasaka. Mas após o acidente envolvendo tiroteio na estrada, sua mãe acaba falecendo e David se vê em uma situação ainda mais difícil. Precisando de dinheiro para manter seu apartamento, vai em busca de oportunidades o levando a conhecer a jovem, Lucy.

A trama apresenta de maneira fácil quem são os personagens e aquele mundo de Night City, seja pelos takes rápidos em pontos da cidade ou a trilha sonora que vai nos levando junto a David. Os humanos no futuro vivem diferentes em Cyberpunk, digamos que nosso mundo de hoje mas com um super plus da tecnologia ainda mais vivo. Trauma Team, que seriam as equipes médicas, chegam em um piscar de olhos só da pessoa espirrar. Mas é claro que vai depender do tipo de plano que você utiliza. As corporações é que mandam na cidade, como também as gangues que precisam arranjar uma maneira “fácil” de colocar comida na mesa e cromo no corpo. E é claro, são eles que fazem o trabalho sujo que os Corps não querem.

Quem jogou o game, sabe muito bem do que estou falando e vai entender ainda mais ao assistir ao anime. Mas o mais interessante, é que para aqueles que não tiveram nenhum contato com o game não  irão se perder, já que ainda é explicada toda aquela história e ambiente, sem dar spoilers da história que vemos em “Cyberpunk 2077”. É tudo natural e dinâmico, que durante apenas 25 minutos, por mim poderia durar ainda mais, já que somos levados nessa onda cibernética tão fantástica e diferente.

A animação apresenta uma mescla interessante de texturas, já que algumas vezes nos lembramos de “Akira” e do nada somos levados para algo “Cowboy Bebop”, mas que também lembra “Ghost in the Shell”. As cores e traços são feitos de maneira magnífica e que dá um orgulho para aquele otaku raiz que acompanhava as maluquices que eram os animes mais antigos dos anos 90 e início dos anos 2000.

A trama da história segue bem linear, mas também aberta para outras muitas histórias no futuro, talvez investindo em uma próxima temporada focando em algo após a trama do game, ou quem sabe focando na história de outro personagem – seja no futuro de Lucy ou até mesmo no passado de Maine, personagem que convida David para seu grupo de mercenários. As possibilidades para o futuro do anime são infinitas, e com toda certeza os criadores já pensam muito nisso, principalmente para um game que ficou mais de 15 anos sendo escrito e produzido.

Aqui nessa história não temos Johnny Silverhand, mas nos é contado um pouco sobre a explosão que ocorreu na Torre Arasaka no ano de 2013, que acabou resultando  na morte do personagem no game, mas que não é citado durante a animação. Algo que achei ótimo para separar ambas as histórias, mas também trazer curiosidade para aqueles que estão assistindo quererem ir atrás para saber mais sobre tudo isso. O que não vai faltar é easter egg durante os 10 episódios, em que veremos até personagens icônicos, como Adam Smasher, Rogue, Claire, os capangas da Maelstrom e até mesmo o próprio bar, Afterlife. 

Devo admitir, que diferente dos problemas que o game teve em seu lançamento, o anime é redondo e perfeito, e em nenhum momento achei que algo estava errado enquanto assistia. A arte é perfeita, trilha sonora, personagens, ambientação, referências. Tudo funciona lindamente e me fez jogar novamente, pela terceira vez, “Cyberpunk 2077” aproveitando atualizações e agora referências do anime que serão levados para aquele mundo. 

“Cyberpunk: Mercenários” é a complementação perfeita do mundo de Cyberpunk, que é rico em personagens e histórias dentro de seu mundo. E que possa ganhar ainda mais temporadas contando mais sobre aquele mundo e que leve outros a desbravarem sua história também com o controle em mãos em frente aos consoles.

+ “Cyberpunk: Mercenários” é uma produção de 10 episódios distribuída exclusivamente pela Netflix.

E aí, curtiu?

Escrito por Guta Cundari

Do cinema para o jornalismo. Amante de filmes e games, fã filmes de terror trash e joguitos que duram meses. As Premiações pelo mundo todo que me aguardem e os noobs que sofram.

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Loading…

Loading…

0

No Place For Bravery | Novo game da Glitch Factory já está disponível