Resenha – Zetman

O garoto com a marca na mão

Acredito que muitos já vieram até essa resenha pelo menos conhecendo Zetman de nome. Isso porque este é um mangá muito comentado e sugerido pelos fãs dos quadrinhos japoneses. Criado por Masakazu Katsura, Zetman foi lançado no período entre 2002 e 2014, tendo um total de 20 volumes lançados. A história conta também com um anime de 13 episódios, lançado em 2012.

No início da história somos apresentados ao garoto Jin, um menino pobre que vive em uma espécie de “favela” junto com um homem mais velho, que acabou recebendo o título de avô em virtude do respeito que Jin tinha por ele.

Jin é habilidoso, rápido e luta muito bem. Por conta disso, faz pequenos serviços para as pessoas nas ruas. Basicamente, ele salva pessoas que estão sendo vítimas de assaltos, assédios e demais crimes e em troca cobra uma quantia em dinheiro. Embora seja assim, no fundo Jin acaba ajudando em grande parte por ser um garoto de bom coração. Ele até mesmo possui uma fã, uma menina de idade aproximada à dele, chamada Konoha, que ajuda sua mãe em ações de caridade, servindo comida aos moradores de rua e demais desfavorecidos que vivem à margem da sociedade.

Resenha – Zetman | O garoto com a marca na mão

Em conversa com Konoha, Jin promete protege-la sempre que quiser sem cobrar nada por isso, como forma de gratidão pela generosidade da menina em ter separado um prato de comida para ele que havia se atrasado para a entrega beneficente. Ainda durante essa conversa, Jin se mostra ingênuo ao pensar que Konoha também carregava em sua mão uma marca similar à uma auréola. Ele ainda não sabia que essa era uma condição exclusivamente dele.

Ao longo da história diversos mistérios começam a tomar forma e aos poucos vão se mostrando cada vez mais densos e complexos. Por exemplo, ainda nos primeiros capítulos do volume 1 acontece a revelação da verdadeira identidade do “avô” de Jin. Na realidade, seu nome é Doutor Kanzaki e ele foi um importante cientista, responsável pelas experiências envolvendo Jin.

A trama envolve a busca constante da organização responsável pelas pesquisas envolvendo o garoto com a marca na mão, que possui uma habilidade muito poderosa e que se despertada por ele, pode causar grande destruição. Esse é o perigo envolvendo o misterioso Z.E.T, cuja existência permanecia incerta, graças aos esforços de Kanzaki para ocultá-lo. Ao mesmo tempo em que busca por respostas, Jin tenta proteger aqueles que ama e se vê cada vez mais incapaz disso conforme tragédias vão acontecendo uma após a outra.

Resenha – Zetman | O garoto com a marca na mão

Em meio a organizações, pesquisas, habilidades ocultas e tudo isso, Jin ainda é apresentado – por meio das circunstâncias – ao aspirante a super-herói, Kouga, um garoto herdeiro de uma família milionária e que, por obra do destino, é também irmão de Konoha, a jovem admiradora de Jin.

Propositadamente não irei adentrar muito mais nos acontecimentos da trama, porque recomendo a você a leitura dos volumes que são sensacionais, com um traço incrível do mangaká Masakazu. A obra é muito boa e faz jus ao reconhecimento que possui. A JBC está lançando Zetman aqui no Brasil, então corra e adquira logo os seus volumes.

Gostou de Zetman? Compre na nossa parceira Liga HQ!

 Veja também: Resenha – Midori no Hibi | Quando você se apaixona pela sua mão direita


VEJA TAMBÉM:

COMENTE:

© 2019 Proibido Ler. Todos os direitos reservados.