Coisas do Mundo Corporativo

O mundo corporativo e seus habitantes cada vez mais importantes para a nação brasileira e a família destes meros contribuintes de INSS. Um mundo cheio de sonhos, planos, degraus, de hierarquia, de tapetes para ser puxados, de caveiras para ser feitas, de macumbas para ser despachadas e de suor e mais suor pra ser entregue pela reles classe operária deste sistema feudal do século 21. Este mundo que engrena a economia do capitalismo e também da arrogância.

Pois até hoje de todos os executivos que tive contato, a maioria deles tem esse peculiar jeito de ser e tratar as pessoas, visando apenas as azulzinhas que seu bolso pode suportar. Eu sei que meu salário de um mês não dá 2 dias do trabalhado dele, mas enfim, fazer o quê? Aliás, falando de salário… Isso é outra coisa desproporcional neste mundo corporativo (desproporcional até demais). Ocorre principalmente em corporações que terceirizam os serviços essenciais de seus setores por empresas que querem ser grandes corporações e só conseguem fazer serviço de terceiros. Veja um belo exemplo: Quando prestava serviço à Natura (eu era terceiro) cada posição de atendimento, vulgo PA, ela pagava R$6.000,00 à empresa e sabe quanto era repassado para a minha pessoa na época? Nada mais nada menos que R$390,00 por mês. Isso era o bruto, pois com descontos não chegava a R$300,00 líquidos. E não varia muito de empresas terceirizadas para empresas que não terceirizam o serviço, pois elas pensam que o salário que te pagam é suficiente, e sim, seus gastos é que são mais altos.

Outro assunto pertinente num mundo corporativo é a postura e ética das pessoas. Todas elas bem vestidas, com sua tirpe elegante, a gravata combinando com a camisa, a meia combinando com o sapato e a calça, o celular tipo polchete acoplado ao cinto e um gel NY Looks no cabelo (quem nunca usou um deste que atire a primeira bala pedra) pagando de zécutivo executivo e achando que todos vão pensar que ele é importante. Se um funcionário de menor escalão, vulgo subalterno, passar por ele é o sinal do pro dia dele nascer feliz, ele já até pode estar atarefado com seu trabalho, mas mesmo assim acha um tempo para dar um palpite aqui ou outro ali, só para atrapalhar a vida do peão funcionário. Essas pessoas (funcionários do primeiro grau da hierarquia) para mim são realmente aquelas que dão valor à empresa, porém como a querida e linda Dona Sociedade (ooooh mulher porreta!) Faz questão de mostrar que eles são a reles e, muitas vezes, nós nem percebemos que eles existem. Olha que os uniformes parecem aqueles que os clubbers usavam na sua época de glória (One more time). Os Cuticos executivos do recinto, comenta junto à maquina do cafezinho (detalhe esse local é sempre o antro das conversinhas, o estúdio da rádio peão, centro de saída de fofocas e comentários pertinentes a vida corporativa) que os faxineiros auxiliares de limpeza, são os que tem mais chances de subir a sala da presidência rapidamente. E todos os outros comentam “Nossa! Sério?”. O diz: “Sim, claro! Sobem pra limpar a mesma neah!” E eles caem na gargalhada mais sem graça da galáxia de Durhil Kate Von Death (não me pergunte aonde é ¬¬)

Mas as fofocas não são só por parte dos executivos, nem por parte dos auxiliares de limpeza, mas também por parte dos contratados de até 3 salários mínimos. É magnífico o quanto essas pessoas cuidam com as vidas dos empregados do seu setor, a inveja então, pata ka parel!, não tem igual! Neste mundo corporativo parece que todos foram treinados para lutar feito o Popó (coitado só o proibidoler.com para lembrar do indivíduo), pois a disputa é acirrada, até mesmo para ocupar o cargo de alguma pessoa que esta a um salto acima de você.

Outra coisa bela no mundo corporativo são as reuniões. O foda ruim é como os Executivos, Diretores, Gestores e Presidentes tem orgulho de falar que tem reunião hoje e precisa desmarcar o compromisso, ou quando tem uma reunião muito importante se preparara a noite inteira para se dar bem com o chefe e no dia seguinte só fala Whyskas sachê blábláblá. Outros dão a desculpa da reunião para poder pular a cerca e sair com a vizinha os amigos.

Os eventos corporativos são MARA!

Neste dia todo mundo adora todo mundo, as pessoas passam um dia antes no shopping e compram o melhor vestido financiado pelo Visa e/ou Mastecard, só os Zécutivos Executivos usam o AMEX. Porque Visa, Mastercard, Hipercard e Sorocred são coisas de pobre. E quando essas pessoas estão no shopping, passam num Fast fode Food e dá risada da cara do funcionário que está estampado como funcionário do mês (quem nunca deu risada destas fotos que atire o primeiro dardo) bem com aquele sorriso que mostra até os caninos, aí você pede algo e olha para a cara dele (o funcionário) e pergunta: “É você mesmo?” Nem preciso de dissertar o que vem depois. Noutro dia do evento anual da empresa, os comentários da secretária que pegou o executivo casado e o presidente será o bafão da segunda-feira.

O mundo corporativo tem outras sujeiras como aqueles que lavam dinheiro com Vanish Poder O², outros que são informantes de empresas concorrentes e alguns que se acham injustiçados quando são demitidos. Colocam o nome dos patrões na boca do sapo e do resto da empresa vai parar no Pai Robério de Ogun para fuder rezar por todos que ainda estão lá.

O dia de pagamento é uma alegria em todos os setores menos para os auxiliares de limpeza, que acham um desastre… Todos eles pensam: “O dinheiro mal entrou e já se foi todinho pro aluguel.” Quantos aos que ganham até 3 sálarios mínimos, vai tudo em financiamentos. E para os arrogantes executivos vai tudo para um banco na Suíça. Ainda bem que muitos podem contar com a economia do molusco existente no Brasil e assim dizem:
“- O Lula é meu pastor e nada me faltará… por isso eu estou pastando até hoje.”

Essas são pequenas coisas do mundo corporativo, vocês sabem que eu não generalizo nada e para mim existe sempre as boas partes de uma empresa, porém são aquelas que ficam da catraca de controle para fora…


VEJA TAMBÉM:

COMENTE:

© 2019 Proibido Ler. Todos os direitos reservados.