in

HQ do dia | Batman #33

Zero Year foi uma saga em 13 partes que mostrou o primeiro ano do jovem Bruce Wayne como vigilante mascarado tentando combater os Batmaninsanos criminosos de Gotham. No curso destas 13 edições, descobrimos muita coisa sobre o início da carreira do Cavaleiro das Trevas, sua relação com Alfred, James Gordon e Lucius Fox e ainda descobrimos qual a importância de Edward Nygma para a formação do Batman. E aqui tudo isso termina.

Batman 33 é o aguardado clímax do primeiro e mortal confronto do Morcegão com o Charada pós Novos 52. É lógico e não é spoiler nenhum dizer que no final Batman consegue restabelecer o controle da cidade e prender o vilão. Mesmo porque a saga se passa nos primeiros anos do Cavaleiro das Trevas. Portanto não é a surpresa ou o risco que tornam este final especial, e sim a maneira como esta edição é conduzida. Scott Snyder entrega tudo aquilo que fãs de Batman querem ler: Ótimas cenas de ação, uma batalha de cérebros entre Nygma e Batman e um pouco mais da história da infância do Homem-Morcego. Nygma é um adversário formidável e isso fica evidente neste final de arco, mas Bruce Wayne é determinação pura. O que falta em experiência ao jovem Cavaleiro das Trevas é compensado pelo sacrifício que o protagonista se dispõe a fazer. Uma solução nada elegante e meio “aos trancos e barrancos”, como é de se esperar em se tratando de um personagem que ainda não atingiu toda a sua “fodalidade”. Achei muito honesto da parte de Snyder manter a postura inexperiente de Batman durante todo o arco e ainda neste final. Isso dá vulnerabilidade ao herói e humaniza bastante o mito do Batman.

A arte de Greg Capullo continua sensacional neste número. Tanto nas cenas de ação quanto nas mais calmas com diálogos o artista domina todo o elenco, a cidade e principalmente os diálogos de Snyder. As expressões dos personagens (principalmente nas cenas entre Alfred e Bruce) são convicentes e temos aqui um dos melhores arcos deste personagem em termos de arte. Já disse muitas vezes e sou obrigado a repetir que Greg Capullo nasceu pra desenhar este título. Espero que, após uma merecida folga, o artista retorne com força total ao título do Cavaleiro das Trevas.

Batman 33 não tem nada de muito chocante. Não existe uma reviravolta de última hora que vire o jogo para o lado do Homem-Morcego. A vitória de Batman sobre o Charada é um reflexo do triunfo de Scott Snyder no roteiro deste arco. Ambos, autor e personagem trabalharam duro e fizeram sacrifícios para entregar o melhor trabalho possível. Não tem nada de genial nas soluções de Snyder ou de Batman, mas o esforço e o capricho do autor em mostrar um personagem humano, falho e ao mesmo tempo heróico é e continua sendo a marca registrada e o principal trunfo desta HQ desde o início dos Novos 52. Somado a uma arte absurdamente linda, Batman termina esta sua fase “flashback” em alto nível.

E aí, curtiu?

Escrito por Igor Tavares

Carioca do Penhão. HQ e Videogames desde 1988. Bateria desde 1996. Figuras de ação desde 1997. Impropérios aleatórios desde 1983.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading…

Loading…

0

Time Runs Out | HQ dos Vingadores termina em Abril de 2015

Godhead | Revelado visual dos Novos deuses no novo evento da DC Comics