Sarará Crioulo

Porque funciona assim: quem é careca quer tê-los, quem é crioulo quer lisos, morenas querem ser loiras, e adiante seguem os desejos e insatisfações. Acontece que por mais gastos e cuidados desperdiçados com o cabelo, a grande maioria das pessoas ainda se olha no espelho reclamando do tamanho da franja, por exemplo. A arte de pentear o cabelo, é sim (ou já foi), parte da vida de todos.

Teorias dizem que você passa metade da vida dormindo. Consideremos que seja verdade! Podemos estimar que grande parte da outra metade é vivida em idas ao cabeleleiro cabeleireiro, lambuzada de litros de gel fixador e saturada de xampús. Fora os cremes redutores de volume, condicionadores, laquês, chapinha e lá lá lá. Podemos deduzir também que há toda uma indústria por trás desse vaidosismo em deixar o cabelo apresentável.

Aposto cem reais no cavalo branco de Napoleão que aquele seu tio cinquentão usa Grecin 2000 só para aparentar juventude nas churrascadas de domingo. Os outros familiares, com outra certeza, lembrarão da época hippie dele e comentarão sobre o black power que ele recusava lavar. Água e hippie não se combinam muito bem; assim como chapinha e chuva. Nessa última comparação, você se lembrará da namorada do seu primo que tem o cabelo mais ruim do que rúcula estragada e tenta disfarçá-lo usando este tipo de alisamento. O mais legal é vê-la correndo embaixo da chuva com uma sacola do Carrefour na cabeça.

Por falar em namorada do primo; o próprio apresenta suas peculiaridades com o cabelo. Antigamente era só topete alinhadinho e sustentado a base de sabonete. Hoje ele penteia aquele pseudo-moicano como se fosse um aprendiz de punk e ainda mantém o topete na frente (por incrível que pareça). Um tempo até usou a parte espetada como franja, mas desistiu depois que começaram a chamá-lo de emo na escola.

Aliás, o estilo de vida ser dos denominados emos inclui também o apelativo cabelo. Com a maior probabilidade, eles se unem, vão cortar as madeixas no Edward Mãos-de-Tesoura e, logo depois, postam fotos novas com as mais diferentes poses e roupas no Orkut. “Corta dois dedos na frente e pica atrás.” – esse é o pedido feito ao cabeleireiro. Apesar de tudo, ainda assim não há um padrão de corte para essa corte, pois nem todos tem dinheiro para comprar um pente sequer: o cabelo embaraçado que acorda é o mesmo cabelo fedido que dorme. Não podemos esquecer da multicoloridade que essa moçada leva na cabeça. Oi toin toin!

O cabelo é, por vezes, muito atraente. Aquele longo, liso e brilhante inveja qualquer pessoa, principalmente aqueles que sofrem de caspa. Não há nada mais glamuroso do que sentir o cabelo cheiroso de alguém e duvido de quem nunca encontrou ninguém na fila do banco com a blusa de lã cheia de pó branco. Bom, a caspa é uma possível causadora do fim do seu relacionamento e até o stress a gera.

Tem gente que tenta lançar moda com penteados extravagantes e, no mínimo, sem nenhum senso de feiura. Quem não se lembra da cabeça raspada do Ronaldinho numa dessas últimas copas, onde mantinha um único volume quase na testa? Era impossível olhá-lo e não lembrar do Cascão. Por falar em jogador de futebol, o outro Ronaldinho (Gáucho) apareceu com uma cabeleira de um dia para o outro, o que me leva a acreditar que foi uma emenda de cabelo. Aliás, muitos metaleiros que raramente cuidam do cabelo, ganham bastante dinheiro vendendo-o assim que percebe a vida transgredida que levava e outros com finalidade de alongar o cabelo, o compra e costura juntamente com o já existente. Quase uma comparação eufimemística de um transplante de rim.

Pois é, seja raspadinho, seja cabelo pintado, seja cabelo embaraçado, encaracolado, rastafari ou roque enrow, o tempo que você gasta em frente ao espelho acertando-o é considerável. Claro que uns tem mais facilidades quanto a isso. Deus me deu Bombril em vez de cabelo, por exemplo. Tanto faz penteá-lo ou não. Costumo dizer que nem guarda-chuva eu preciso comprar. Meu cabelo é tão impermeável quanto os solos do nordeste brasileiro. Deixando isso de lado…

Se você, um desleixado e despreocupado com a boa aparência capilar, for fazer uma entrevista de emprego e a mocinha do RH te perguntar:

– Qual o xampú que você usa?

Com toda a esperteza do mundo, lembre-se em não dizer:

– Aquele que não arde os olhos.

Pronto! Levante e saia, a entrevista provavelmente terá acabado nesse instante. Que idiota nesse mundo usa xampú que não arde os olhos? Talvez esqueceram de explicar-lhe que sobrancelha é bem diferente de cabelo e vice-versa. É como a história do xampú para cabelos secos…

Por


VEJA TAMBÉM:

COMENTE:

© 2019 Proibido Ler. Todos os direitos reservados.