Desafio Literário Volta ao Mundo: México

Seleção e indicação de autores e autoras

Como vocês devem estar cansadas (os) de saber, nós do PL estamos participando do Desafio Literário da Volta ao Mundo (clique aqui para saber mais), criado pela Jessica Gubert (com uma pequena mãozinha minha), e o segundo país obrigatório da nossa viagem literária internacional é o México!

Pensando nisso, eu e a Jessica decidimos montar uma relação com autores e autoras para auxiliar com opções de leitura para vocês.

Desafio Literário Volta ao Mundo (Bônus) Colômbia Seleção e indicação de autores e autoras - (2)
Lembrando que assim como agora no mês de fevereiro temos um país destinado à meta de leitura, teremos o Canadá para março. Segue a relação e o post (que estará também no site da Jessica).


 

Juan Pablo Villalobos

Villalobos é um dos principais escritores mexicanos, aparecendo como recomendação em todas as pesquisas e listas possíveis. Na Alemanha, é conhecido como representante da “narco-literatura”, e no Brasil, tem quatro livros publicados. “Se Vivêssemos Em Um Lugar Normal” foi até indicado nos comentários aqui no blog, pelo Frederick.
(mais) um livro: Festa no Covil (2012)

Octavio Paz

Poeta, ensaísta, tradutor e diplomata, Paz Lozano é conhecido por seu amplo e dedicado trabalho prático e teórico na poesia moderna. Morou nos Estados Unidos, no Japão, na Índia e na França, mas o México nunca abandonou seu coração (nem sua literatura). Publicou mais de vinte livros de poesias e um número inacreditável de outras obras, que vão desde ensaios sobre literatura, arte, cultura e política, até seu célebre livro, Luna Silvetre. Octavio foi laureado em 1990 com o Prêmio Nobel de Literatura. Além disso traduziu Fernando Pessoa para o espanhol, foi traduzido por Samuel Beckett, escreveu peças e adaptou Nathaniel Hawthorne para espetáculos mexicanos.
Um livro: O Labirinto da Solidão (publicado pela primeira vez no Brasil em 1992, nova edição de 2014)

Laura Esquivel

Esquivel foi comparada a Isabel Allende (Peru) e García Márquez (Colômbia) por sua narrativa, e costuma misturar realismo e elementos sobrenaturais em suas histórias. Um dos livros mais famosos da autora, “Como Água Para Chocolate”, foi adaptado para o cinema, ganhando uma indicação ao Globo de Ouro.
Um livro (ou dois): Como Água Para Chocolate (1989)
Escrevendo a nova história: Como deixar de ser vítima em 12 sessões, que está disponível no Kindle Unlimited(2014)

Carlos Fuentes

Apesar de ter nascido no Panamá, Fuentes, filho de diplomatas mexicanos, sempre carregou na sua literatura o mesmo peso do seu sangue: o mexicano. Seguindo a carreira de seus pais, Carlos passou parte da infância entre Montevideo, Rio de Janeiro, Washington D.C., Santiago do Chile, Quito e Buenos Aires, mas aos 16 anos finalmente firmou morada no México. Romancista, novelista e ensaísta, Fuentes também lecionou em Harvard e recebeu dois dos mais importantes prêmios da literatura hispânica: o Prêmio Miguel de Cervantes e o Prêmio Príncipe das Astúrias. Grande admirador de Machado de Assis, Carlos traduziu e ajudar a propagar os escritos do carioca pela América Latina.
Um livro: Aura (2005)

Jorge Volpi

Escritor prodígio, Volpi se envolveu com a literatura desde cedo – obtendo reconhecimento ainda jovem. Envolvido não só com literatura, mas também com cinema e pintura, Jorge é o atual diretor geral do Festival Internacional Cervantino. Membro da chamada “geração do crack”, Volpi é novelista, contista, ensaísta e organizador de antologias. Suas dezenas de obras foram traduzidas para diversos idiomas, e sua produção foi reonhecida por todo mundo como influente e inovadora. Embora seja muito conhecido, Volpi só teve uma tradução brasileira: Em Busca de Klingsor, que saiu em 2001 e está fora de circulação. Mas quem sabe você dê sorte com algum exemplar usado ou em outro idioma.

Um livro: La tejedora de sombras (2012)

Mario Bellatín

Nascido na Cidade do México, Bellatin é um dos escritores mais importantes da literatura latino-americana, sendo considerado como o autor de um dos livros mais importantes da língua espanhola dos últimos 25 anos. Filho de Peruanos, Mario tomou para si a identidade Mexicana, produzindo inúmeras obras de altíssima qualidade, dentre ensaios, novelas e contos, além de ter participado de projetos musicais. Elogiado por Mario Vargas Llosa, o autor peruano-mexicano teve duas obras trazidas ao Brasil.

Um livro (ou dois): Flores (2009)
Cães Heróis (2011)

Elena Poniatowska

Filha de mãe mexicana e pai francês, Hélène nasceu em Paris, mas se fez escritora no México, onde cresceu e desenvolveu grande parte de sua carreira. Sobrinha da poetisa Pita Amor e com dezenas de antepassados ilustres, como Porfírio Dias e o general Poniatowski (que acompanhou pessoalmente Napoleão até Moscovo). Conhecida como “A Princesa Vermelha”, Dores chegou a herdar o título de princesa da Polônia, do qual abriu mão para viver uma vida plena nas artes. Jornalista, romancista e ensaista, a autora franco-mexicana é uma das principais vozes da cultura mexicana mundo afora.

“A Pele do Céu” foi publicado aqui em 2003, mas é bem caro por ser difícil de encontrar.
Um livro: La Noche de Tlatelolco (1998)

Sergio Pitol

Nascido em Puebla, Pitol segue a linha dos artistas polivalentes que povoam o cenário literário latino-americano. Além de escritor (novelista e contista), Sergio também é tradutor, professor e diplomata Pelo conjunto da obra recebeu o Prêmio Juan Rulfo em 1999, e Prêmio Xavier Villaurrutia pelo melhor livro de contos no México e, finalmente, o Prêmio Miguel de Cervantes em 2005, reconhecendo a grandeza e importância de seu trabalho.

Um livro: Vida Conjugal (2009)

Juan Rulfo

Apesar de ter publicado apenas duas obras em vida, Rulfo, natural de Sayula, é um dos nomes mais influentes da literatura latino-americana. Boa parte de sua obra foi adaptada para o cinema e para a televisão, além de seu trabalho ter exercido enorme força à exponencial geração de escritores latinos que se dizem/diziam fã do autor, como Gabriel García Márquez. Principal precursor do Realismo Mágico, Juan recebeu o Prêmio Príncipe das Astúrias, além de ter sido honrado com a criação de um prêmio que leva o seu nome.

Um livro (ou dois): Chão em Chamas (2015)
Pedro Páramo (2008)

Valeria Luiselli

Nascida na Cidade do México, Luiselli é um dos principais expoentes da literatura mexicana. Como grande parte dos literatos latinos, Valeria é polivalente no que faz: além de ensaísta e autora de ficção, ela colabora e participa de projetos multidisciplinares com artistas renomados, como Christopher Wheeldon e seu projeto com o New York City Ballet. Traduzida para o português, francês, inglês e alemão, ela faz parte de uma leva de autoras jovens que estão mudando o rumo da literatura não só em seu país, mas no continente como um todo.

Um livro: Rostos na Multidão (2012)

Já sabe: se tiver algo a acrescentar, que passou direto por nós, é só deixar um comentário aqui, no PL, no grupo do desafio no Facebook ou… bom, onde você quiser. O importante é se animar a continuar participando do desafio. Este link (em inglês) tem uma lista MUITO interessante de autores mexicanos contemporâneos, vale a pena dar uma lida se conseguir.

E aí, quem chamou a sua atenção até agora? 🙂


Logo mais indicaremos autores e autoras do Canadá para março! Não esqueça que o importante é ler, conhecer novo(a)s autore(a)s e se divertir dando essa volta ao mundo. Recline sua poltrona, e boa viagem! =)

httpwww.proibidoler.cominteressantedesafio-literario-volta-ao-mundo-bonus-mexico-selecao-e-indicacao-de-autores-e-autoras gif


VEJA TAMBÉM:

COMENTE:

© 2019 Proibido Ler. Todos os direitos reservados.