Bruna Goés, uma das maiores vozes da Amy Winehouse no Brasil

4 semanas atrás ( 24/10/2017 )

Em setembro passado, a cantora que desencadeou a revolução a que se assistiu na música soul dos anos 2000, completaria 34 anos se estivesse viva. Amy Winehouse nos deixou precocemente e a música perdeu uma das suas maiores estrelas dos últimos tempos.

Ainda porém, sempre vai existir alguém que mantenha o legado de Amy vivo e cada vez mais forte. Uma dessas pessoas é Bruna Goés, fã número um de Amy como ela mesmo declara, a atriz e cantora percorreu o Brasil estrelando o musical “Back To Amy” e também ficou conhecida por participar do The Voice Brasil em 2016.

Bruna apresenta o “Amy Winehouse Live” no palco do Paris 6 Burlesque Music Hall & Night Bistro, traduzindo toda a trajetória da cantoria incluindo sucessos como “Just Friends”, “Valerie” e “Monkey Man” até os hits que as consagram no mundo musical, como “Back to Black” e “Rehab”.

Nós do Proibido Ler batemos um papo com a cantora. Se liga:

PL: Como surgiu sua identificação musical com Amy?

BG: Na verdade, musicalmente eu não me identifico com ela tanto assim. Ela é uma das minhas maiores referências, pois mergulhei fundo no seu trabalho e acompanhei a sua trajetória desde a minha infância, então tenho muita propriedade pra falar sobre. Mas a minha relação com ela é muito mais de admiração e amor do que identificação musical.

PL: Quais aspectos da curta e dramática vida de Amy mais te impressionam e inspiram?

BG: Amy sempre foi uma inspiração pra mim, quando eu nem sequer imaginava cantar e viver da música. A conheci com apenas 13 anos de idade, quando a figura icônica do cabelão e do delineado nem existia, mas já admirava a verdade, irreverência e paixão que Amy entregava com talento e maestria em tudo que fazia.

PL:Qual sua expectativa em relação aos shows que tem feito em SP?

BG: Estou simplesmente realizada de poder estrear numa casa espetacular para fazer um tributo à Amy. Eu espero do fundo do meu coração que gostem do nosso show e se divirtam com a gente. A nossa equipe é sempre selecionada com muito cuidado para que estejam envolvidas apenas pessoas que de fato admiram e respeitam o trabalho da Amy. Eu, os músicos e demais pessoas da produção estamos num clima muito bom entre a gente e buscamos compartilhar essa energia com entusiasmo. Nosso show é bem dinâmico, costumamos interagir com o público e fazer com que participem efetivamente do show. Pra quem não sabe, Amy era Judia, e logo após o seu falecimento, a família reuniu diversos amigos e entes queridos dela em seu Pub Londrino preferido, a fim de celebrar a vida da cantora. É basicamente essa a proposta do nosso show; uma grande celebração, realizada com muito amor e carinho.

PL: Teme ficar muito associada à imagem dela? Até quando pensa em fazer o repertório de Amy?

BG: Sinceramente eu não penso sobre isso. Onde há amor não há medo. Eu sou extremamente grata ao universo por ter colocado Amy na minha história e se eu vivo de música hoje, eu devo muito a ela. Se eu não tivesse sido convidada a interpreta-la há 7 anos, talvez eu ainda não soubesse que eu não poderia ser outra coisa senão cantora. Trabalho em outras áreas como artista, mas a minha grande paixão é cantar, e de certa forma, foi ela quem me permitiu estar alinhada com a minha essência.

PL: Passado o tempo, qual sua avaliação da participação no The Voice?

BG: Eu me descobri cantora aos 18 anos e aos 19 fui inscrita no programa por um amigo meu. Quando me chamaram eu nem sabia do que se tratava mas mesmo com pouquíssima experiência encarei o desafio. Posso dizer que o The Voice foi uma grande escola pra mim, sem mencionar a incrível oportunidade que é aparecer em uma das maiores vitrines do país. Lá aprendi de uma vez por todas a lidar com a tensão e ansiedade pre-show, além de ter conhecido e trabalhado com músicos, produtores e artistas excepcionais.

PL: Como atriz, quais seus projetos e sonhos?

BG: Eu atuo desde criança, mas assim como no canto, entrei no teatro sem grandes ambições. Na época o que eu queria mesmo, como eu costumo brincar, era “disfarçar minha timidez com extroversão”. Algum tempo depois comecei a fazer trabalhos publicitários e como boa perfeccionista que sou, corri para o Rio de Janeiro para aperfeiçoar meus estudos na CAL e no CEFTEM. Foi o que me permitiu realmente sonhar mais alto. Sou cinéfila declarada e tenho muita vontade de explorar essa área de atuação um dia.

PL: Qual sua relação com os fãs pelas redes sociais?

BG: Eu mantenho um canal bem aberto com eles. interagimos bastante em todas as minhas redes, principalmente no Instagram, pois lá costumo fazer lives descontraídas onde conversamos sobre tudo. Sempre achei sensacional essa possibilidade de ter um contato direto com o público e já fiz grandes amigos e parceiros de trabalho assim. É também um bom termômetro, pois recebo feedback de shows e outros trabalhos diretamente de quem consome.

Com toda pompa e circunstância, Bruna Goés volta ao palco do Paris 6 Burlesque Music Hall & Night Bistro na próxima quinta-feira 26 de outubro, para apresentar o espetáculo “Amy Winehouse Live”. Mais informações e valores dos ingressos AQUI!


© 2017 Proibido Ler | Feito com Wordpress - Desenvolvimento por Dk Ribeiro & Baruch Vitorino