The Window Box

Uma visual novel diferente

The Window Box é um jogo no estilo “Visual Novel” bem diferente dos que estou acostumada a ver. Produzido pela novata Sundew Studios,  é o primeiro jogo da empresa de jogos indie.

Antes de mais nada, vamos por partes. “Visual Novel” é um tipo de jogo onde o foco está na narrativa e é  sempre muitíssimo bem acompanhado de uma trilha sonora gostosa, textos e imagens. Pode parecer não tão dinâmico, mas a ideia é prender o jogador em uma história com início, meio e fim, com alguns momentos onde há escolhas, puzzles, etc. Enfim, o foco é a interação e imersão.

A história se passa na casa de Elsa, uma das personagens, onde ela convida suas antigas amigas da faculdade para uma manhã calma e tranquila, antes do tão aguardado almoço de reunião. Óbvio que nada é tão simples quanto parece, e seus planos vão por água abaixo com a chegada de uma terrível tempestade que as deixa presas em casa.

O game consiste em explorar cada um dos cômodos da casa, realizando os mini-puzzles e descobrindo pouco a pouco a história de cada uma das personagens.

Mas o que ele tem de tão diferente dos jogos desse mesmo tipo?

A princípio, o que me chamou a atenção (além de ter amigas me indicando), foram os gráficos. As cores e os desenhos são chamativos, exagerados mesmo, é o tipo de jogo que consegue te comprar apenas pelo visual, e no final, você se surpreende com uma história profunda e cheia de mistérios.

Pode parecer bobo, mas de uma maneira super lúdica e sutil, ele trata de assuntos como relacionamentos, abuso emocional, maternidade vs. carreira, e tudo isso se desenvolve no jogo de forma em que você ajuda as personagens a lidar com os conflitos em suas vidas. Não é difícil de se identificar com alguns dos dilemas, o medo de demonstrar sentimentos e lidar com a solidão, por exemplo, foi um dos diálogos que mais me deixou reflexiva.


Afinal, o que é uma casa a não ser uma caixa com janelas?

The Window Box está disponível na Steam e você pode jogar clicando aqui!


VEJA TAMBÉM:

COMENTE:

© 2019 Proibido Ler. Todos os direitos reservados.