Relembre o universo nostálgico de Patapon

Leia em: 4 minutos

O sentimento de nostalgia no peito das pessoas é algo único, seja por um brinquedo, cena específica de um filme ou série, diálogo em um game e nas histórias em quadrinhos. Todos sentimos isso em algum momento da vida – ou em vários momentos – trazendo uma lembrança que sempre pode ser boa ou ruim. Mas como estamos falando de games, não tem como ser ruim – a não ser que seja a Ashley em Resident Evil 4, daí estamos falando de um pesadelo.

Patapon pode ser um game que pareça desconhecido, mas tem uma legião de fãs, tanto que ganhou uma versão para Playstation 4. Eu lembrei desse game por causa de um amigo, que chegou me perguntando se eu conhecia e lembrava de sua trilha sonora marcante e divertida, me dando uma saudade absurda do meu PSP. Então, já que estamos em nossa querida internet, porque não apresentar um pouco do que é Patapon e a nostalgia que ele pode trazer. 

Leia mais: The Witcher 3: Wild Hunt | Dicas para platinar o melhor jogo da franquia

A primeira coisa que todos precisam saber sobre ele é: que jogo mais fofo. É claro que ele não se resume em ser apenas fofo, mas todo o formato do game é tão kawaii que dá vontade  de colocar os personagens em um potinho e ficar apenas olhando por horas.  Seu formato de pequenos olhos lembra muito o Tallbird, um pássaro em formato de olho que encontramos em Don’t Starve.

Leia mais: Ahhh que saudade dos fliperamas de boteco

Em Patapon precisamos ajudar a civilização de Patapons resgatando outros deles e destruindo inimigos. Jogamos em fases, em que ao avançarmos a dificuldade só tende a aumentar, mesmo que aos poucos, mas é o que acaba tornando tudo mais divertido e desafiador. Mas um grande diferencial desse game é o fato de que atacamos e caminhamos na fase com sequências de botões que dão som aos personagens, parecendo quase um Guitar Hero. Para entender melhor, acima tem um vídeo do começo da campanha, assim você vai sacar ainda mais e com certeza querer jogar ainda mais. 

Não só devemos prestar bastante atenção na sequência que devemos seguir para avançar nas fases, mas também dar aquela “tunada” nos personagens, aumentando sua força, defesa e seus equipamentos. Seus ataques ocorrem basicamente de longe com lanças, arco e flechas e machadinhos. Não devemos nos preocupar em matar os inimigos, mas para seguir em frente devemos destruir muros que aparecem em nosso caminho e pequenas torres. 

Relembre o universo nostálgico de Patapon

Família Patapon reunida

Os combos e objetos especiais que encontramos no caminho dão mais força aos personagens, fazendo com que eles caminhem mais rapidamente e seus ataques fiquem mais fortes, destruindo inimigos e fortalezas com mais rapidez. Então caso você decida jogar essa maravilha de game,  tente não errar nenhuma sequência, que tudo isso vai te dar uma boa ajuda no final da fase. Não esquecendo também que devemos ficar atentos a vida de seus soldados, afinal são eles que fazem tudo não é mesmo?

Leia mais: Sailor Moon | Curiosidades sobre as guerreiras lunares

O que realmente nos diverte em Patapon é toda a ambientação e jogabilidade, mesmo que os personagens tenham um carisma diferenciado, as músicas e formato é quem realmente ganha nosso coração gamer. São os Patapons que fazem os sons que formam a trilha sonora e, como eu disse, deixa tudo mais kawaii. Seu gráfico em formato de desenho 2D também encanta, já que parece uma animação infantil  e super bem feita para PSP – que para alguns tinha um gráfico superior ao Playstation 1 na época, principalmente por ser um portátil da mesma empresa. 

Mas para resumir Patapon, já que a intenção é lembrar um pouco e fazer todos sentirem vontade de jogar, Patapon é o sinônimo de nostalgia. Sendo um game simples, mas lembrando um Guitar Hero em formato de RPG, não tem como não se encantar com ele e não ficar fascinado com o que é possível se fazer em um game de traços 2D e com sons básicos que formam uma música. Tem coisa melhor que isso? Duvido muito! E ainda deixo a trilha sonora para você já ir entrando no clima do jogo.

E se você ficar viciado nessa fabulosidade dos games, não quero depois venha me xingar dizendo que não consegue soltar o controle.