Minecraft: Dungeons | O bloco RPG com muita essência
in

Minecraft Dungeons | Um RPG com muita essência e blocos

Minecraft é um dos melhores games (digo isso com muita sinceridade) já criado por uma desenvolvedora. O jogo não só fez parte de um período da minha vida em que usava para me divertir e relaxar, mas que até hoje serve para reunir os amigos com o modo online e até mesmo  na área de educação, em que  muitos professores usam como uma ferramenta interativa para os estudantes, principalmente na área de informática. Quem diria que um game tão simples poderia ter essa chamada tão grande.

E agora em 2020 recebemos o mundo de Minecraft de uma maneira diferente, trazendo o melhor estilo RPG “Diablo mode” que gostaríamos de jogar. O esperado “Minecraft Dungeons” quando foi anunciado trouxe ânimo e desconfiança, já que era algo bem diferente do que jogamos na quebra e construção de blocos. Mas já quero adiantar aqui no começo que o game é simplesmente divertido e impressionante.

Leia mais: The Last of Us | Crescer em um mundo destruído não é fácil

 

O game é focado no vilão, Arch-Illager em que travaremos uma luta épica entre os grandes heróis e as forças malignas, mas é claro naquele estilo fofo de Minecraft. Com uma aventura bem diferente, mas que lembramos até mesmo um pouco do que já foi feito com o modelo da Telltale Games, “Minecraft Story Mode“. Todo bom amante do estilo RPG conhece o glorioso, Diablo da Blizzard. Com seu modo de câmera alta, missões primárias e secundárias, abertura de mapa, dungeons a rodo, itens variados de classe e dificuldades variadas. Tudo isso que temos em Diablo pode ser encontrado em Minecraft Dungeons, mas de uma maneira um pouco mais simples, principalmente pelo fato do game ainda estar em seu começo de vida.

O modo de jogo é simples e dinâmico, colocando na visão de alguém que jogou no Xbox One, não tem erro na hora de apertar os botões: ataque, baú de itens, lançamento de bombas, pegar itens e é só, com apenas quatro botões você já está jogando Dungeons lindamente e sem erros – uma review com easter eggs de dica. O mapa não chega a ser gigantesco, mas como faremos o mapa várias vezes a partir do nosso crescimento e possibilidade de avançar o nível da fase, então tudo vai ficando um pouco diferente, principalmente na quantidade de inimigos que aparecem em tela para te atacar. Contamos com hordas de caveiras arqueiras, com armaduras e ainda modelo gigante, sendo essa a parte mais difícil em muitos momentos tornando o boss Enderman uma borboleta no campo – e olha que ele era difícil no Minecraft original e talvez continue sendo com seu som assustador.

Leia mais: Need for Speed Heat | A melhor corrida de rua está de volta

Captura do game “Minecraft Dungeons”

Os gráficos e modo de equipes é super dinâmico e bonito, com a simplicidade que conhecemos de Minecraft. Mesmo que não seja nada de outro mundo, ainda sim aquece o coração ver os pixels e blocos formando o mapa de maneira fácil e sem muita enrolação. O mapa está sempre presente na tela caso desejado saber que caminho devemos pegar, sendo também um ponto negativo. O mapa invés de já ficar aberto em um canto para facilitar, ele só consegue ficar aberto quando selecionamos e bem no meio da tela durante o jogo. Mesmo sendo transparente e com as marcações brancas de quando estamos abrindo o caminho, acaba sendo realmente incômodo já que afinal eu gostaria muito de conseguir enxergar o que ocorre na tela sem um mapa branco na frente.

As dungeons são normalmente bem simples quando encontradas no mapa, sempre naquele canto escondido que precisa ser explorado como adicional. Muitos deles não contam com nada absurdo, apenas alguns poucos inimigos seguidos por um baú com equipamentos especiais ou mais fortes que o nosso muitas das vezes. Sempre vale a pena explorar para não perder nada, já que vale conquista encontrar todos os baús do mapa e até mesmo equipamentos especiais. Sempre contaremos com uma armadura, espada, arco e flechas, flechas especiais e equipes que podem deixar nosso personagem mais forte e rápido para se movimentar. Tudo dentro do mapa necessita ser explorado e testado, já que tudo o que encontramos vai definir o que queremos ser durante nossa campanha e  tornar nossa jornada mais dinâmica e até rápida quando pegamos o jeito.

Leia mais: Journey | Uma viagem para dentro do ser

Captura do game “Minecraft Dungeons”

O único problema que senti durante minha campanha foi a questão do game ainda ser bem pequeno, então ainda contamos com a limitação de fases – já que uma hora se torna cansativo fazer elas novamente, mesmo que seja necessário; o mapa colocado de forma incômoda (como já citado aqui em cima); e a pouca variedade de skins e alguns equipamentos – que mesmo descobrindo baús especiais, eles acabam trazendo o mesmo equipamento com um nível a mais e é só. Mas isso não torna a experiência de Minecraft Dungeons ruim, afinal analisando de forma rápida o game está ainda no começo, então muitas atualizações e DLCs até podem aparecer e tornar a história ainda mais especial para os jogadores.

Minecraft Dungeons é uma boa escolha para aqueles que curtem um game estilo Diablo, com um RPG dinâmico, divertido e ainda por cima fofo – afinal Minecraft é bonito demais e simples. Mas é essa simplicidade e uma gama de opções de campanha que torna ele um bom entretenimento e relaxamento naquele dia que estamos estressados com o trabalho.

Quer comprar jogos com um belo descontão e ainda por cima ajudar o Proibido Ler? Selecionamos ótimas dicas de games na Amazon e a maioria com frete grátis para clientes prime. Clique aqui e pegue aquele game que está faltando na sua coleção. E venha nos conhecer em nosso canal da Twitch.

E aí, curtiu?

Escrito por Guta Cundari

Do cinema para o jornalismo. Amante de filmes e games, fã filmes de terror trash e joguitos que duram meses. As Premiações pelo mundo todo que me aguardem e os noobs que sofram.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading…

Loading…

0

HQ do Dia | Não Existem Super-heróis na Vida real

A Vastidão da Noite (2020) | Simples e incrivelmente imersivo