Neymar e sua síndrome de Peter Pan: um problema para o futebol brasileiro

Era apenas mais uma tarde de sábado onde o todo-poderoso Paris Saint-Germain, carro-chefe da França desde 2012 e campeão antecipado da liga de futebol do país, enfrentaria o Rennes pela final da Copa da França. Na Ligue 1, os times são separados por 42 pontos e uma diferença de 68 gols — 67 positivos no saldo do Paris Saint-Germain, e um gol negativo para o Rennes que hoje ocupa o 12° lugar na competição.

Entretanto, não era uma tarde qualquer. Mesmo com o PSG, campeão de tudo na França, como franco favorito para levantar a taça pela quinta vez seguida. O dia marcava também a volta do maior astro do time, Neymar, aos campos como titular. O brasileiro teve três meses de afastamento por lesão, e uma atuação como substituto na vitória por 3 a 1 sobre o Mônaco na semana anterior ao confronto com o Rennes.

Neymar tem a sorte de ainda carregar consigo o magneto que atrai os holofotes, dentro e fora do campo — em tempos atuais, muito mais pelo último do que pelo primeiro. E no confronto com o Rennes, a tendência foi a mesma.

O super-time do maior astro de futebol do país em tempos atuais, enfrentando um time que está longe de aspirar por coisas maiores que um segundo em uma competição como a Copa onde chegaram à final, saiu na frente no placar com dois gols. Neymar deu passe para Daniel Alves e posteriormente, fez seu tento em assistência de Ángel Di María.

Fonte: “Neymar” por Balkan Photos (CC BY-SA 2.0)

Mas o PSG não conseguiu segurar o Rennes. O time mediano do noroeste da França empatou com o time da capital e se segurou até os pênaltis. Na marca da cal, foi mostrada que a sorte estava de fato do lado de Davi contra o Golias naquela noite: 6 a 5 contra o time de Neymar.

Obviamente a frustração tomou conta do PSG, que subiu as escadas do Stade de France furioso com o resultado. No meio do caminho, desaforos foram dirigidos aos jogadores do time mais rico da França, incluindo Neymar. O brasileiro que tem muito mais a perder do que qualquer torcedor poderia ter sido o “homem maior” da situação e simplesmente ignorar o fato. Mas não. Ele não poderia deixar as coisas como estão. Punho fechado e soco lançado em direção ao seu ofensor; e mais um vexame registrado por Neymar em uma carreira que ainda está pela metade do seu caminho.

É algo difícil de se compreender, ainda mais quando a situação vem de alguém com tantos privilégios quanto o jogador mais caro do mundo. Sua fortuna garante a ele e seus pares uma vida mais do que confortável, ainda que atribulada.
Sua ocupação não o permite muito tempo para relaxamento fora de Paris. Mas nada o impede que ele possa descomprimir pressões do dia-a-dia revivendo suas férias em Las Vegas ao jogar roleta online, ou em um torneio de Counter-Strike com os seus “parças” durante seu tempo livre.

Porém, não é isso o que acontece. O sempre tenso Neymar parece não conseguir relaxar e se colocar em uma posição mais madura.

Fonte: “Neymar” por Alex Fau (CC BY 2.0)

A reação de Neymar, aliás, não é novidade. Em 2016, logo após a conquista do então inédito título das Olimpíadas pela Seleção brasileira que ele liderou, Neymar foi bater boca com uma parte da torcida no Maracanã que o criticava veementemente.

Antes disso, durante um dos seus anos formativos no Santos em 2010, Neymar teve uma série de problemas de atitude frente ao seu técnico da época, Dorival Júnior. Foi o que levou Renê Simões, naquele momento técnico do Atlético Goianiense, a emitir palavras que infelizmente ainda valem para hoje:

“Em nome dessa arte de jogar futebol, da qual eu sou partidário, estamos criando um monstro. (…) O que esse rapaz tem feito é inaceitável. Algo precisa ser feito, Neymar tem de ser educado logo. Desse jeito, ele vai virar um monstro. Fui ao Dorival dizer que estava certo ao repreendê-lo. Neymar, hoje, não é um homem, nem um grande jogador, é um projeto disso tudo.”

Ali, há mais de nove anos atrás, além da polêmica da atitude de Neymar também havia sua tendência a cair por faltas leves. Outro fator negativo do atleta que se recusa a desaparecer até hoje, como pôde ser visto na Copa do Mundo do ano passado.

Pode-se até ser argumentado que o maior prejudicado dessa história toda é o próprio Neymar. Por conta desse último entrevero, ele provavelmente levará uma longa suspensão da Federação Francesa de Futebol como punição. Isso se somará à punição de três jogos que ele já sofreu imposta pela União das Associações Europeias de Futebol, após comentários mais que ofensivos direcionados à organização e seus juízes de futebol após a polêmica eliminação do seu time na Liga dos Campeões desta temporada.

Fonte: “Neymar Larger Than Life Mural Brickell” por Phillip Pessar (CC BY 2.0)

Entretanto, aqueles que torcem para a Seleção aqui e lá fora acabam sendo prejudicados também. Neymar a essa altura da sua carreira já deveria ter se tornado o grande astro que se desenvolvia a grandes passos durante seus anos no próprio Santos e em Barcelona. Entretanto, suas atitudes sempre entram no meio desse progresso que deveria ser mais do que natural.

Seu talento para o futebol ainda é sobrenatural, uma vez que ele ainda faz a diferença em confrontos contra os maiores time de dentro e de fora da França. Mas na seleção, não é isso o que ocorre.
É estranho que quando Neymar chegou à seleção, seu sucesso foi quase imediato. O então jovem de 18 anos em sua estreia no time em 2010 parecia ter fome da bola. Queria mostrar para o mundo e principalmente para aqueles que duvidavam da sua habilidade que ele poderia ter ajudado o Brasil na Copa do Mundo daquele ano, para a qual ele não foi convocado pelo então técnico Dunga por ser muito jovem (e provavelmente rebelde também para aquela figura tão autoritária).

Isso não mais acontece. Para quem olha de fora, é como se ele não tivesse mais o que provar para nós, que somos apenas espectadores e torcedores do seu mais absoluto sucesso.

Mas ainda há esperanças. Eventos como esse podem servir de grande aprendizado a qualquer pessoa, até mesmo para o maior talento atual do Brasil. Só esperamos que não seja tarde demais antes da virada acontecer.


VEJA TAMBÉM:

COMENTE:

© 2019 Proibido Ler. Todos os direitos reservados.