Serial Experiments Lain (1998)

Onde você mora?

O que nos separa da vida digital?

Aqui, no meio virtual, podemos ser da maneira que quisermos ser, sem julgamentos – se quisermos assim, falsificando-nos – somos abraçados como semelhantes e possuímos, assim como um deus, onipresença, onisciência e, portanto, onipotência. Afinal de contas, o que é mais poderoso do que informação?

Tudo acontece em um piscar de olhos dentro de uma tela. Aqui, temos a voz, o controle, o controle para mostrar-nos como quisermos, o nosso melhor e pior. Quando há um fluxo tão grande de realidade dentro da caixa – ou qualquer outro dispositivo – qual a diferença?

Você já parou para pensar sobre qual a percepção das pessoas sobre você? Já aconteceu contigo de não conseguir se ver nos olhos de alguém?

Quando somos adorados – ou até odiados – nesse meio, até onde essa idolatria – ou ódio reciproco – repercute no mundo real? O que é o mundo real? Existe um mundo real?

Serial Experiments Lain 1

O que é arte?

Na primeira vez em que me perguntaram isso, disse que era tudo aquilo que expressasse alguma coisa. Hoje, diria eu, que arte é aquilo que toca, que te provoca algo. É o que te faz sentir e/ou o que te faz pensar, é o que te faz.

A arte não precisa ser bonita, ou feia, nem mesmo precisa fazer sentido, ela é algo além. É algo que pode ser explicado, é algo que não pode ser explicado, é como explicar sentimentos invisíveis. Se eu te digo a palavra “amor” o que vem na sua mente? Talvez memórias que se correlacionam com o sentimento, com a palavra. Memórias.

A verdadeira arte consegue tocar cada um de forma única. É consciente e inconsciente, realista quando não conseguimos enxergar a beleza que está em frente aos nossos olhos – ou a feiura.

Arte é algo mutável ao longo do tempo, mesmo quando não se transforma – quando uma obra se mantém atual, ela ganha novos sentidos, não ganha? Uma nova visão.

Dias atuais. Tempos atuais – E uma gargalhada sarcástica soa, abrindo todos os episódios – ou Layers (camadas) como são chamados aqui – da série animada futurística (para a época) Serial Experiments Lain (1998).

Suicídio. É com um tema tão pesado que se inicia o complexo anime.

O que te prende ao corpo? Até onde sua consciência se tornou digital?

Serial Experiments Lain

Após receber um E-mail póstumo, Lain, uma garota introvertida, fofa e visivelmente triste passa a se interessar pela Wire – Um paralelo com a internet – E então ela é tragada para este mundo. Inicialmente movida pela curiosidade, ela vai se interessando cada vez mais e assumindo uma nova personalidade – será?

Serial Experiments Lain 2

Assim como “Alice No País Das Maravilhas” – Obra que sempre gosto de citar – Serial Experiments Lain traz um paralelo entre estória principal e semióticas. Tudo que é dito, tudo que é visto e tudo que é ouvido significa mais de uma coisa. Todos estamos conectados. Os fios estão em todo lugar, estamos em todo lugar, quem precisa de fios? Até mesmo este limite estamos ultrapassando.

Nada faz sentido, tudo faz sentido, dentro desta complexa trama, nos identificamos dentro de um thriller cyberpunk psicodélico. Quando achamos que tudo vai se encaixando, descobrimos novamente que não. Mas esse falso encaixe não é em vão, pois nos faz pensar e assim atravessamos mais uma camada, olhando para dentro de nós.

Serial Experiments Lain 4

Com apenas 13 episódios de cerca de 20 minutos cada, a obra é uma mistura artística introvertida que traz filosofia, psicologia e ficção-cientifica – com bases bem sólidas.

Serial Experiments Lain pode ser equiparada a Black Mirror e Matrix – ou melhor, essas franquias podem ser equiparadas a obra, Matrix, por exemplo, recebe influencias dela – Com traços simples e limpos, Serial Experiments Lain te deixará sem palavras.

Serial Experiments Lain 6

Quando a internet não era ainda toda a grande potencia que é hoje, Serial Experiments Lain conseguiu compreender a “futura” sociedade humana.

Serial Experiments Lain foi dirigido por Ryutaro Nakamura, com character design de Yoshitoshi Abe e roteiros de Chiaki J. Konaka. Produzido por Yasuyuki Ueda pelo estúdio Triangle Staff.

Serial Experiments Lain

Bem, tentei evitar spoilers ao máximo (inclusive na ilustração do post), trazendo principalmente a essência da obra, por isso esta resenha talvez fuja dos padrões. Mas tudo bem, a obra também foge.

Por último, deixo aqui um aviso MUITO importante: Não subestime este anime. Ele te faz pensar muito, o tempo todo, e consegue fazer isso mesmo com diálogos aparentemente simples.Serial Experiments Lain 10

Fiquem a vontade para discutir sobre nos comentários – Eu sei que há muito a ser discutido – mas peço que tomem cuidado com os spoilers, avisem.

Obs: Se você gostou de Ghost In The Shell, Evangelion e Akira, provavelmente vai gostar de Serial Experiments Lain.

Gostou? Tem mais:


VEJA TAMBÉM:

COMENTE:

© 2019 Proibido Ler. Todos os direitos reservados.