Resenha – Tokyo Summer of the Dead

Zumbis que não são levados a sério

Resenha - Tokyo Summer of the Dead | Zumbis que não são levados a sério

Tokyo Summer of the Dead, obra do mangaká Kugura Shiichi, se passa na cidade de Tóquio. A história começa mostrando o desencadear de uma contaminação que transforma as pessoas em mortos-vivos. O protagonista é Yu Someya, um universitário que dá aulas particulares para Ikuse Minamori.

Em um dia quente de versão, Yu acorda e se depara com um cenário apocalíptico. Ao olhar para seu celular, o garoto observa várias chamadas e mensagens perdidas de Ikuse, sendo uma delas uma gravação de áudio onde a estudante pede por socorro enquanto tenta fugir de algo que tenta atacá-la. Yu decide então ir ao encontro de Ikuse, para que juntos possam tentar sobreviver àquela infestação de zumbis repentina.

Uma vez juntos, os dois protagonistas desse mangá iniciam sua jornada de sobrevivência em meio aos zumbis. A ideia inicial é tentar obter notícias dos familiares dos dois, bem como encontrar um abrigo seguro. De cara observamos uma relação afetiva mal resolvida entre o professor particular e sua aluna que ainda está no colegial. Yu demonstra ser um garoto bem inseguro, mas que tira forças de onde não tem para trazer segurança para sua aluna. E por outro lado, Ikuse é mais extrovertida (principalmente se comparada ao seu professor) e demonstra logo de cara possuir mais experiência em questões de sobrevivência.

Resenha - Tokyo Summer of the Dead | Zumbis que não são levados a sério

Me incomodou bastante a personalidade dos personagens desse mangá, quase que de modo geral. Digo quase porque, de todos que aparecem na história, apenas três realmente possuíam personalidades aceitáveis para o contexto em que viviam. E ao dizer isso, ainda estou fazendo uso de boa vontade minha, porque creio que, sendo um pouco mais crítica, daria pra afirmar que de modo geral existe uma grande falha na construção de personagens nesse mangá. Temos personagens subestimando tanto o apocalipse zumbi que estão vivenciando que chegam ao ponto de acharem que é uma pegadinha e tentarem tirar foto com um dos zumbis (é sério, isso realmente acontece). Em outro momento, temos outras personagens que entram em um lugar para buscar mantimentos e se preocupam em pegar maquiagens. A futilidade é tamanha que chega a parecer brincadeira. E o pior de tudo é que é sério.

Resenha - Tokyo Summer of the Dead | Zumbis que não são levados a sério

Um outro ponto – ainda referente aos personagens – é que a grande maioria é composta por pessoas de má índole. O tempo inteiro vemos pessoas egocêntricas, que desejam salvar apenas a si mesmas e, pior, comemorando a morte de um chamado amigo. Tudo bem que o mundo não é habitado apenas por pessoas boas, mas me espantou ver a futilidade e a crueldade com que a maioria dos personagens foi representada.

O enredo também é confuso. Dá pra ver que o autor tentou envolver um contexto romântico em meio à um ambiente de sobrevivência, o que teria sido mais aceitável se tivesse sido feito com um pouco mais de sutileza e menos artificialidade. 

Resenha - Tokyo Summer of the Dead | Zumbis que não são levados a sério

Minhas esperanças nesse mangá repousavam no desfecho, onde eu esperava encontrar uma solução ou pelo menos mais explicações. Para minha insatisfação a história acaba sem pé nem cabeça, sem dar qualquer indício do que irá acontecer com os personagens. Minha sensação ao terminar de ler foi de que eu havia certamente pulado alguma página e tinha perdido alguma coisa. Infelizmente, eu tinha lido todas as páginas e era aquilo mesmo e ponto final. Triste.

Em minha humilde opinião, Tokyo Summer of the Dead é uma história de enredo fraco, personagens mal trabalhados e um fim difícil de digerir. MAS, ainda assim, pelo fato de serem apenas 4 Volumes, vale a pena conhecer e tirar as próprias conclusões. E por falar nisso, a Editora Nova Sampa tem a coleção completa em boa qualidade!

  • Compre o Box com os Volumes 1 ao 4 aqui.

Gostou? Tem mais!
Clique e leia: Resenhas de animes e mangás


VEJA TAMBÉM:

COMENTE:

© 2019 Proibido Ler. Todos os direitos reservados.